AGENDA CULTURAL

15.3.13

Texto construído apenas com palavras iniciadas com a letra "s"



Sim, sou seu súdito
Autor: Fábio Nagata - Araçatuba-SP


Sinceramente, sei sobre sua saudade. Saudade sublime, sem similitude, sem sinonímia, sem semelhança. Sentimentalmente, subconscientemente,
solicito seu semblante, sua silhueta, sua sonoridade, seu suor, seus sortilégios, sibila. Sensatamente, solitário sou, sei. Serafins soam sirenes (sirenas), sinos, sinetas, saudando seu saracoteio, seu
sapateado, seu samba, seu suingue. Sacerdotisa, sabe sacudir sua saia sem ser safada, sem ser sibarita, sem ser sirigaita, sem ser sem-vergonha, sendo sim, sapeca. Sempre se sobressai. Seu sapato, sua sapatilha, sua sandália, singram solos, sugerindo superioridade.


Submisso, sorumbático, soturno, sombrio, suplico seu soslaio. Sob sobrolhos (sobrancelhas), safiras sinalizam: Sim ! Supercílios surreais… Sorvo seu sorriso, subentendo seus sentidos. Subserviente,
sou seu soldado, sem salário, sem suplentes. Solenizo sua simpatia, supervisiono seu sono, superintendo sua saúde, supro suas solicitações, sigo suas sentenças, segredo seus segredos. 


Sondo seus sentimentos…seriam sempiternos ? Só sei, sou seu. Sem simpósios, sentencio: seja sem-cerimônia, sancione salvo-conduto. Simbolicamente, saxofones soam semibreves, semicolcheias, semínimas, semifusas, sustenidos, subgraves, semitons, suplicando seu sexo, senão,… sucumbirei. Sou sol, sou si …solfeje. Sem simulacros, sem socapas, seu sutiã sequestra sua sexualidade setentrional: seus seios. 

Sem sutiã, sem soquete, somente sandália, sua sensualidade, sua sexualidade sulistas sobram superabundantes, salientes, suculentas. Seminua, sem saia, sem saiote, sarada, sem silicone, sexy, suscita suplícios sem-par. 

Socorra seu servo. Sobejam sentimentos. Sou seu soalho, suplante seu subalterno. Sexy, sim, senhora ! Selvagem, sente-se sobre seu súdito …sou seu selim, sua sentina, sua sela, Secrete suor sobre seu seguidor. Sou simples salada sem seu sal, sua soja. 

Salive suficientemente… sou sua sacarose, sua sacarina. Sangro sem sua salvaguarda. Saudades ! Sozinho, solitário, sobra sarjeta. Seja santuário, sinagoga, seita, Santa Sé, Sinai, sacramentos…serei
seminarista, santeiro, sacristão, samaritano, sectário, salesiano. 


Seja Socialismo… serei sino-soviético. Seja santidade, seja sóror (soror)… serei sua sotaina, sua obrecasaca. Seguirei seus Salmos, sem sacrilégios, sem sacrifícios. Sem semáforos, sem sinaleiras, sou senda
sinuosa, sem saída. Sou seu sequaz. Sou sentinela sequioso. 


Seja “superstar” …serei seu segurança. Sou sesmeiro… seja sesmaria. Seja sítio… serei semente, semearei sistematicamente seu solo. Sou safra, seja silo… Sou sua sílaba… soletre. Sou sua sardinha… seja samburá. Seja salmoura, seja sódio…salgue seu salmão. 

Sincronizemos, sinergicamente, simbioticamente. Sim, somos simétricos. Seja sacola…serei, simultaneamente, saco. Seja Saturno …serei seu satélite, singular, sem sobresselentes (sobressalentes). Sua sensualidade sobrepuja, solidifica, soergue seu sedutor. 

Seja sanfona…serei sertanejo. Seja sangue… serei seu soro. Seja soprano…serei sua serenata, sua seresta, seu soneto. Séculos, semanas, sábados, sextas,
segundas, sessões, sob Sol, seguirei, sorrateiramente, sua sombra.


Sina? Sorte? Somos sósias, somos simétricos, somos siameses. Se subescrever, sou seu sobrenome. Seja substantivo…serei sublinha. Sou seu senador, seu sargento…subsidie seu serviçal. Seriamente, sou só
seu. Seu sabor, suplico. Sim, senhorita, sou solteiro, simpático, sagaz, sapiente, sóbrio, sereno, sincero. Surpreenda seu súdito, sem sutilezas, sem sofismas, sem sobressaltos, sem sovinaria (sovinice).


Se sugerir, serei sultão (sem sevícias, sem safanões, sem sacudiduras, sem sadomasoquismo, sem sarabandas)…seja serralho. Se sou sete, seja
seis. Sou seu signo, Sagitário… Sofro, sobremaneira, sem seu sorriso.


Se sentir sede, sugue, superalimente-se…sou sua soda, seu sorvete, sua sidra, seu suco sumarento. Sem subterfúgios, sem sarros, sem sermão,
sem sarcasmos, sem subornos, solte-se. 


Sonhe, surrealmente: sou seu super-homem, seu suporte, seu super-herói. Seja selva …serei seu
sabiá, seu símio, sua salamandra, seu sapo (sapo-cururu), sua saracura, sua sucuri, sua surucucu, seu sagüi, seu sariguê, sua seriema, seu selvático, selvagem, silvestre, silvícola … 


Sou sandeu, sim… seja sanatório. Suicídio ? Sem surtir, sequer, satisfação. Sou suscetível, sim. Socorro ! Sou seu simplório servo. Salve ! Silhueta sem-par… Sibilo. Silvo. Sozinho, sofro, sou subdesenvolvido. Se submergir, sendo sereia, serei submarino. 

Se soçobrar, sou seu salva-vidas. Se surrar seu súdito, subsistirei, sem sobrecenho. Suspenda setas, suspenda sarabatana… serei signatário. Servil, seu
sexo, sôfrego, solicito. Socorro, senhorita ! Solidão ? 


Suplico (“sinal-da-cruz”): Saia Satanás ! Separados, segregados, sofremos. Sem sobreaviso, suba sobre seu súdito…sou sua serra, seu socalco, seu serro. Selecione suas satisfações…sou seu secretário. Seja serra, serrote…Serre, seccione… sou seu sândalo, sua sicupira (sucupira), seu sicômoro, seu sarrafo. Santa, sou seu semideus. Seja sumidade, superiora, suprema, soberba, sobranceira …serei seu subdelegado.

Silêncio ? Saia ! Sou seu som, sua sintonia, sua sinfonia. Sem sono, senhorita ? Sonâmbula ? … Sou seu sedativo. Sou sepulcro, sarcófago, sepultura…sozinho, sofro soterrado. Sou sujeito…seja significado, seja subjuntivo. Seja Sibéria…serei sua sauna, seu suéter, seu sobretudo.


Seja sala, seja saleta…serei salão. Seja shopping suntuoso, seja supermercado… serei saguão, seções, setor, sótão, subsolo. Seja sede…serei subsidiário. Sem sossego, suplico, sussurrando, seu socorro. Seja sabre…serei seu samurai. Sou senzala…seja sinhá. 


Sob sereno, sob saraiva, serei seu sapê. Sol ? Sou seu sombreiro, sua sombrinha…Sonho ser seu. Seus sinais sensuais seduzem seu súdito. Se se sujar, serei seu sabonete, seu sabão, seu “shampoo” . Sozinho,
sobra solilóquio. Síncope, sinusite, sarampo, septicemia, supuração, sânie, surdez, surtos, sezão, sífilis, soltura, sintomatologias (sinas, sintomas) somáticas… seu socorro sara seu servo Sobreviverei,
sem sequelas. Serei são. Sozinho, sou secarrão, semimorto, subnutrido.


Sou subordinado, sem sestas, só serões. Sou seu serviçal, sem ser sacripanta , songamonga, sujo, sórdido, sisudo, sarnento. Sou seu suflê, seu saboroso sanduíche, sua salsicha, seu sápido sapoti, seu salpicão, seu salame, seu siri, seu sururu, seu sarapatel, seus salgadinhos sortidos…sacie-se. Sou seu suprimento, seu sustento.

S.O.S.

Sim, sós… (sem sogra, sem sobrinhos, sem sicranos).

Síntese, sinopse sobre sobredito, supracitado: sou seu súdito !
 

Inspirei-me no famoso e fantástico texto de Chico Anysio, intitulado Monólogo Mundo Moderno 
Fábio Nagata.

5 comentários:

Anônimo disse...

É, como diz a "molecada", ficou bem manero.
Tito

**Arte em Panô** disse...

ADOREI.

andre albuquerque disse...

Muito original. Imagino o trabalho que demandou.Lembrei do "Discurso sem verbos" , do Frei Vicente Salvador, pela força da criatividade.Parabéns ao autor.

Patrícia Bracale disse...

Sensacional

Fábio Henrique Gimenez Nagata disse...

Obrigado, meu amigo Hélio Consolaro, por publicar meu texto em seu conceituado blog. Inspirei-me em Chico Anysio, quando em entrevista a Jô Soares, ele declamou, de cabeça, o formidável texto "Monólogo Mundo Moderno", escrito apenas com palavras iniciadas pela letra "M". Abração, caro Hélio. Fábio Henrique Gimenez Nagata - Araçatuba-SP