AGENDA CULTURAL

24.10.15

Miguel Negri - anônimo construtor do Brasil

Miguel Negri
Hélio Consolaro*

Em 1977, quando assumi o cargo de professor de Português na EE Prof. Genésio de Assis, logo surgiu na esquina das ruas vereador Aldo Campos e Jardim Brasil um sapateiro. Era o Seu Miguel, homem de poucas palavras, mas exalava confiança e sinceridade por todos os poros. Cheguei a comprar suas botinas (o famoso sapatão), antes de precisar usar palmilha e salto de compensação.

Depois, construiu um prédio novo para a sapataria, cresceu. Embora nem soubesse o que era ser um empreendedor, na concepção atual do termo, o era. Eu passara por lá todos os dias, até 1998, quando me aposentei. E lá ele continuou até 23/10/2015. 

Até que um sujeito mal criado (no sentido de que não foi educado adequadamente pelos pais e pela sociedade), irresponsável, abreviou-lhe a vida. Não estou fazendo ironia, caro leitor, já que o Seu Miguel (Miguel Negri) faleceu com 88 anos, um longevo, porque a vida tem outra medida, por exemplo, morreu sem pegar um bisneto ou bisneta no colo. 

O criminoso simplesmente atirou, nem o acuou para retirar-lhe grana. Certamente ia comprar crack. Atirou para ver de que lado o cidadão ia cair. Quem faz isso não valoriza a própria vida.  

As pessoas nessa hora reagem pedindo todos os castigos do mundo para o criminoso. Um amigo me disse que este país precisa de leis. Ora, leis nós temos, precisamos é de formação espiritual (ou ética), nós não estamos educando bem nem nossos próprios filhos.

Não escrevo estas linhas para discutir assunto tão polêmico. Quero deixar aqui minha admiração por homens como o Seu Miguel Negri que no anonimato constitui famílias sólidas, constrói um Brasil melhor.

Dona Flora, Jair, a nora, os netos, chorem, lamentem, mas tenho certeza de que têm muito orgulho dessa cepa chamada Seu Miguel da qual são os galhos. Só de vê-lo, observá-lo de longe, o admirava muito, gostava dele, parecido com meu pai.   

Mais informações, clique aqui

*Hélio Consolaro é professor, jornalista, escritor. Secretário municipal de Cultura de Araçatuba-SP 

3 comentários:

Anônimo disse...

Lindas e emocionantes palavras endereçadas a esse homem íntegro, que só fez o bem. Com 88 anos ainda na labuta, e vem um *$# qualquer, tira-lhe o pouco de vida que ainda lhe resta, só pra provar que é um assassino contumaz.

Adriano G. de Lima disse...


Não Tive a oportunidade de conhecê-lo mas só de ver essa foto e por suas palavras vejo que também sempre o admirei, essa foto me remete a imagem de meu pai que aos 83 anos ainda continua trabalhando exercendo seu papel em nossa sociedade lá na cidade de Andradina. Fica aqui meus sentimentos e aquela frase que um dia escutei: "Não devemos nos preocupar que mundo estamos deixando para nossos filhos e sim, que filho estamos deixando para esse mundo!"

Mayra Bucchi disse...

Esse homem foi a paixão das nossas vidas, lindas palavras..... Mayra Negri❤