AGENDA CULTURAL

18.3.18

Continuo falando bem do Brasil


Hélio Consolaro*

Há gente que expõe a sua frustração, a vida que tem, mas não deu certo por causa dela mesma, falando mal de sua cidade, do Brasil e termina com a famosa expressão: "O mundo está perdido".

Nem tudo está bem, aliás nunca esteve bem. Às vezes, temos períodos bons, outros maus, tudo depende de nós mesmos como humanidade, nacionalidade e pessoa. Há gente que vai mudando de humor conforme os governantes. Os mandatários  ajudam, mas não podem fazer tudo.  

Aliás, não gosto de ninguém que ocupa o meu ouvido, os meus sentidos, falando mal dos outros. Andar com tais pessoas com este perfil é atraso de vida, mas nem sempre temos a liberdade de fazer a escolha. 

Este tipo de gente não está muito longe, às vezes, fazem parte de nosso convívio diário. Então, eu escuto e fica por isso mesmo, porque é melhor escutar besteira do que ser surdo. 

Já estive numa excursão fora do país, num ônibus que parecia a torre de babel, pois havia gente de vários idiomas. Evitei falar com brasileiros, porque quem elogiava o Brasil e seu povo eram os estrangeiros. E meus compatriotas era gente bem de vida, não eram pobres. 

Tenho amigos e amigas em minha página no Facebook que só compartilham coisas ruins sobre o Brasil, talvez até os textos sejam "fake news": sempre o país é último lugar nisso, penúltimo naquilo. Fico com dó da criatura que fez a postagem, pois apenas está revelando a sua pobreza espiritual.

Eu amo o Brasil desde quando o presidente era Eurico Gaspar Dutra, pois nasci em 1948, ele exerceu o seu mandato entre 1946-1951. Eu me lembro que no primário, escrevíamos no cabeçalho do caderno no início de cada dia o nome do presidente do Brasil, e eu comecei escrevendo o nome de Juscelino Kubitschek. Eta nome difícil.

Já sou quase setentão. Ainda amo o Brasil e respeito os símbolos, como brasão, bandeira, canto o hino, mas procuro gostar mesmo é de meus conterrâneos, de todas as cores e raças.

Se você não gosta do lugar onde mora, tem um pé atrás com sua pátria, não vou convidá-la a se mudar. Só peço para mudar o seu humor e sua postura espiritual. A sua saúde vai melhoar.

*Hélio Consolaro é jornalista, professor, escritor. 

Um comentário:

Unknown disse...

Concordo com vc Helio ! Precisamos amar a nossa pátria,um país cheio de coisas boas e bonitas , um povo alegre e generoso . Mas realmente as pessoas só postam as coisas ruins.