AGENDA CULTURAL

22.4.17

Os incômodos da solidão



—Essa luz que vem do prédio aqui da frente me faz perder o sono.
Eu sei, seria mais fácil instalar cortinas mais espessas, escuras, à prova de luz, mas também seria mas fácil me mudar para o apartamento do outro lado do corredor.
—Esse travesseiro de espuma é horrível, me dói o pescoço quando desperto.

Eu sei, seria tão simples trocar de travesseiro, ou então voltaria a dormir no sofá, mas claro sem levar o travesseiro, deitaria sobre a almofada, mais macia.
—Essa sua lembrança me tira a paz.
Eu sei, seria muito mais cômodo me casar novamente, óbvio, não com você, mas com "outra amor", mas também seria tão mais fácil se conseguisse esquecer você de uma vez por todas.
—Essa luz que vem do prédio aqui da frente me faz perder o sono.
Talvez pelo fato de você agora morar justamente ali, naquele prédio, naquele apartamento que me incomoda com a luz.
Eu sei, seria fácil me mudar, dormir no sofá e te esquecer.
Mas...
—Esse travesseiro de espuma é horrível, me dói o pescoço quando desperto, mas só porque desperto sozinho, sem você aqui do lado
*Arlen Pontes é arte-finalista, Buritama-SP

Um comentário:

João Henrique Miranda disse...

Meu amigo Arlen! Adoro suas crônicas, espero um dia que você possa publicá-las. Um grande abraço!!!