AGENDA CULTURAL

31.8.17

Fábrica de poetas

E poeta é um copo cheio que precisa transbordar, dividir com os outros o seu sentimento de mundo.


Para Paulo Leminsky já declarou que poeta não precisa de carteirinha para ser reconhecido como tal, basta se sentir poeta. A poesia, antes de ser palavra, é um estado de espírito, um jeito diferente de ver o mundo, por isso Zeca Baleiro canta: "Poeta bom é poeta morto", porque ele incomoda.

Então, muitos professores e escritores, como eu, se atrevem a montar "Oficinas de poesia", como se montasse uma fábrica. Se isso fosse verdade, ontem, quarta-feira, 30/08/2017, no Polo Avançado do Sesc de Birigui em Araçatuba, soltei mais uma fornada de poetas.

Na verdade, as oficinas de poesia somos todos poetas querendo repartir com os demais as nossas inquietações, o nosso jeito de combinar as palavras como um grupo de bordadeiras trocando novos pontos, acrescentando novos jeitos de manipular as linhas no pano da realidade.
Hélio Consolaro diante da divulgação da sua oficina de poesia promovida pelo Sesc Birigui em Araçatuba-SP

Dentre os participantes, havia iniciantes, até estudantes do ensino médio, como muita gente já iniciada e poetas madurões, até doutores. Houve 10% de desistências compensadas por 20% de adesões no decorrer das sessões.  

Cada um escolheu um poeta como sua referência, falecido ou vivo, brasileiro ou estrangeiro. Também trouxe um texto desse seu poeta para ser lido ou declamado. Houve um verdadeiro sarau.

No último dia, cada participantes homenageou um poeta de Araçatuba ou da região, convidando-o para dar o seu testemunho. Afinal, precisamos sempre homenagear os artistas locais. 

Valeu a pena. Tudo vale a pena se alma não é pequena, já cantava Fernando Pessoa. E poeta é um copo cheio que precisa transbordar, dividir com os outros o seu sentimento de mundo.

*Hélio Consolaro é professor, jornalista, escritor. Membro da Academia Araçatubense de Letras

PS. Agradecimentos especiais ao Sesc e aos funcionários Bárbara e Wanner.


Um comentário:

Alice Mara Barbosa da Silva disse...

Sim professor só quem ama literatura e poesia entende.Parabéns pelo seu empenho e dedicação em valorizar a cultura nesta cidade.