AGENDA CULTURAL

2.2.18

Chegar atrasado e sair mais cedo




"O secretário de Desenvolvimento Internacional do Reino Unido, Michael Bates, renunciou nesta quarta-feira por chegar tarde ao Parlamento, o que o impediu de responder a uma pergunta formulada pela deputada trabalhista Ruth Lister. A reação do envergonhado secretário deixou os parlamentares aturdidos, mas a primeira-ministra britânica, Theresa May, não aceitou a demissão dele, por considerá-la “desnecessária”. (Jornal El País, 01/02/2018) VER NOTÍCIA, CLICANDO AQUI
Hélio Consolaro*
O ministro Michael Bates, como inglês, quebrou força da tradicional expressão: "pontualidade inglesa", mas pediu desculpas. Aliás, toda vez que chegamos atrasados a uma reunião, devemos fazer o pedido de desculpas aos demais membros dela, é falta de educação não fazê-lo. Mesmo que o atraso tenha um motivo digno. 
Eu já dei uma de mineiro, cheguei cedo demais e perdi o trem. Quando eu fazia Tiro de Guerra, em 1967, em Araçatuba, cheguei cedo demais ao compromisso: 5h da manhã. Fui tirar um cochilo num canto, sentado no escurinho e perdi a hora. Quando acordei, a companhia já estava perfilada.
Ainda tive a coragem de me apresentar ao sargento com todas as formalidades militares, mas levei um sonoro: "Volte para casa, seu mocorongo!". No final do ano, estourei nos pontos, mas a bondade do sargento Faller me perdoou. Ainda bem!

Não é possível atribuir o atraso ao trânsito numa cidade do tamanho de Guararapes-SP, por exemplo. Não há justificativas nem para os atrasos das noivas.  
O político brasileiro gosta de chegar atrasado aos compromissos de sua agenda. Se estiver dentro do horário, ele enrola para deixar as pessoas esperando, dar uma de importante. Deve ser carência afetiva ou resquício do coronelismo rural.
O ex-prefeito de Araçatuba, Cido Sério, era assim, atrasava uma hora, às vezes, deixando seus assessores enlouquecidos e os presentes no evento irritados. Ainda bem que não atrasava os salários dos servidores.
O prefeito Dilador Borges, Araçatuba-SP, procura chegar no horário, mas já está relaxando, dizem alguns. Vai ver que ele chega no horário e fica sozinho, esperando os outros chegarem, já está desanimando e adquirindo o mau hábito. 
Duro mesmo é chegar atrasado e sair mais cedo, não esperar o término da reunião.
*Hélio Consolaro é professor, jornalista e escritor.

Um comentário:

Gabriel Araujo dos Santos disse...

Eu fazia parte de um coral humanitário, cuja arrecadação se destinava a obras assistenciais de um clube de origem americana.

Tinha um senão. As noivas chagavam sempre atrasadas. Sugeri fosse aplicada uma taxa extra por determinado tempo de atraso, paga antecipadamente, e seria devolvida se a noiva cumprisse o prometido quanto à pontualidade. Os dirigenes do coral nao aceitaram minha sugestão. Perseverei no coral, mas no dia em que uma noiva surgiu toda bela flutuando em duas horas de atraso, naquela mesma noite, após o lauto jantar, ergui uma taça aos meus confrades cantores e me despedi de vez. Quanto à cinderela, com certeza ainda está no século passado...