AGENDA CULTURAL

18.11.19

Concurso de artigo, ensaio sobre a mulher - Série feminina



Lindsay Rapp Gallery
        
A ASSIS EDITORA CONVIDA para participação da série (digital) feminina (com possibilidades de versão impressa).


TEMÁTICA: são 10 temáticas, pode escolher a que mais lhe agradar. Se quiser, pode participar em mais de uma temática.
QUESITOS: Data entrega: 10/01/2020 assis@assiseditora.com.br
Tamanho: mínimo de 10 páginas Word, máximo de 12, fonte times 12, folha A4. Não é aceito ilustrações, nem quadros, nem tabelas, nem gráficos.
Estilo: Artigo pesquisa ensaio

TEMÁTICAS:

1)  A mulher na educação (Trajetória de conquistas e mudanças profissionais)
2)  A educação da mulher (História do feminino, erros e acertos)
3)  Mulheres especiais (Trajetórias de mulheres especiais, musicistas surdas, professoras cegas, enfermeiras cadeirantes, pintoras sem braços... todas que, pensando ser impossível, foram lá e fizeram. Por exemplo, uma piloto sem braços. Quem diria?)
4)  A Cultura sob o comando da mulher (Grandes conquistas das mulheres; Mulheres santas; Organizações de grandes eventos; Mulheres no Poder...).
5)  A mulher mãe e profissional das duas primeiras décadas do século XXI.
6)  Mulher e Literatura (Poder e sensibilidade)
7)  Quem é esta mulher? (Perfis de rostos anônimos)
8)  Centenários femininos em 2020
9)  Profissões no universo feminino (Mulheres soldados, médicas, escritoras...)
10)  Vazio, Violência, Vitória: o cotidiano de cada uma

 DOCUMENTAÇÃO:
Enviar declaração de anuência/autoria.
2 fotos de meio corpo e fundo limpo, com boa resolução.
Informar dados pessoais de cada autora (CPF, endereço completo, formação, contato) Texto revisado por uma professora de língua portuguesa

Nota 1) Professores de pós-graduação que quiserem incentivar seus alunos, fiquem à vontade. Nota 2) Os participantes concorrerão a uma divulgação com entrevista na Revista Letrilha. 

Assinado: Ivone Assis

ASSIS EDITORA LTDA.
Rua José Antônio Teodoro, 76 - Aparecida - Uberlândia-MG
CEP 38400-772 - (34) 3222 6033



17.11.19

Quem tem juízo, tira o dente do sizo! - Alberto Consolaro

Dentes do sizo com parte de sua coroa exposta na boca com bilhões de bactérias podendo provocar complicações: previna-se!

 Os dentes do sizo dão problemas quando começamos a ficar adultos e a ter juízo, principalmente com a própria vida! Mas, de vez em quando eu tenho quase certeza que ter juízo não é um bom negócio! Juízo e sizo são sinônimos e os quatro terceiros molares completam a sua formação e tentam irromper na boca a partir da adolescência.

Tem dia das bruxas, do saci e de quase tudo no nosso calendário, por que não criarmos o “dia do dente do sizo”! A mídia anunciaria: “Hoje é dia do dente do sizo, procure seu dentista e avalie se você já tirou os terceiros molares que estão escondidos embaixo da gengiva ou dentro do osso na sua maxila ou mandíbula! “
Seria demais ter o dia do dente do sizo, mas você, já desconfiado, deve estar interrogando: será que precisaria disto? Eu respondo: sim, seria uma grande contribuição com a saúde pública! Já o dia do juízo, ironicamente, não deveria existir, pois talvez não teria ninguém para comemorar entre nós! Ou quase ninguém!

PROBLEMAS
Os terceiros molares que não atingem a oclusão com o seu antagonista representam a grande maioria. E, estes dentes, cedo ou tarde, tendem a dar problemas muito chatos para o paciente. Até dar problemas eles ficam quietos, abaixo da gengiva e dentro do osso. Quais seriam estes problemas?
1. Contaminação, inflamação e dor ou cisto paradentário: Às vezes os dentes do sizo, também chamados de inclusos ou impactados, mostram na gengiva apenas parte de sua coroa que fica em contato com o meio bucal com milhões de bactérias. Pode levar a uma inflamação aguda de repente, com muita dor, edema que trava a abertura da boca, forma pus e complica o caso, especialmente nas pessoas com debilidade.
Às vezes, fica uma inflamação crônica indefinida que agudece ou forma um cisto paradentário, requerendo uma cirurgia maior. Postergar o tratamento cirúrgico e ou ortodôntico aumenta muito a probabilidade de pericoronarite e cisto paradentário.
2. Cistos e Tumores: Os possíveis cistos e tumores, são quase todos benignos, incluindo os chamados ameloblastomas. Para prevenir, tem que tirar o dente e também seus tecidos moles na coroa e raiz. O cisto dentígero é o mais comum dos cistos nestes dentes e requer cirurgia para remove-los!
3. Reabsorção do vizinho: o dente do sizo não irrompido muito próximo da raiz de outro dente, promove um processo de reabsorção do vizinho, podendo levá-lo a sua perda nos casos mais avançados.  Se remover o dente do sizo a tempo, haverá regressão do processo.

CONCLUINDO
Não vale a pena deixar os seus dentes do sizo ou terceiros molares “não irrompidos” depois da adolescência, eles irão dar problema, como uma bomba relógio que não chega a matar, mas incomoda e pode te levar para uma emergência e até lhe internar em um hospital! Cuide-se e remova-os antes que isso aconteça! O medo não compensa o risco!


 Alberto Consolaro – Professor Titular da USP, FOB de Bauru-SP, consolaro@uol.com.br


Observatório

EXTERIOR – 59% dos estadunidenses dizem que a ciência e tecnologia vão contra suas convicções religiosas e 60% optam pela religião quando há conflito com a ciência. 59% afirmam não se interessar por este assunto. 10% afirmam que os cientistas beneficiam poucas pessoas no país, enquanto na China, 60% acham que a ciência e tecnologia beneficiam a maioria das pessoas. Dados do Instituto Gallup.
AQUI – Cientistas para 23% dos brasileiros são pessoas com treinamento especial. 41% acham que fazem bem à humanidade, mas 8% pensam que se interessam por problemas fora da realidade, enquanto 11% os consideram como servis a interesses das empresas. Uma resposta assustou: 73% acreditam que os antibióticos servem para matar vírus! Dados do Ministério da Ciência.
Parte Superior

ÁGUA NA SUPERTERRA = VIDA

Foi identificado que o planeta K2-18b, fora do sistema solar, tem água na forma de vapor em sua atmosfera e líquida em sua superfície. É o primeiro e deve ser habitável. Rochoso, ele tem o dobro do diâmetro da terra e oito vezes mais massa. Saiu na “Nature Astronomy”.