AGENDA CULTURAL

28.9.21

De onde vem a grosseria? - Alberto Consolaro

            


Sócrates disse: Quando você admite a ignorância, você está abrindo a porta da sabedoria!

Isto vem da ignorância e que não tem nada a ver com a falta de escolaridade e a ausência de diploma. A grosseria e a estupidez campeiam entre os que fizeram universidades, são “diplomados” nas “melhores” faculdades e cresceram nas “melhores” famílias. Mas como estas pessoas têm em si a ignorância e qual a explicação para isto?

FALTA E EXCESSO

A informação vem pronta no livro, jornais, computador, na aula e na internet, mas o conhecimento não! Conhecimento é individual e mentalmente construído a partir das informações recebidas e se faz isto por uma opção da pessoa.

A falta de informação não permite construir o conhecimento em nossa cabeça, mas hoje o problema não é este! O que existe é um excesso de informação, um bombardeio a cada hora, que para ser processada e virar conhecimento precisa de tempo, momentos para pensar ou refletir e vontade pessoal para se fazer isto. Uma pergunta: você criou este tempo, optou por selecionar e refletir sobre as informações que recebe?

As pessoas recebem informações que se sobrepõem uma sobre as outras e não viram conhecimento: são esquecidas, não recebidas, não processadas, não transformadas em nada! Enfim: muita informação é igual a uma grande ignorância pessoal. As pessoas que recebem muita informação, pensam que adquiriram conhecimento, quando apenas ficaram sabendo que aquilo existe e logo esquecem. Quem recebe e guarda a informação em arquivos, não significa que obtivemos o conhecimento:  ele advém da reflexão, compreensão e abstração.

ILUSÃO

 A ignorância mais requintada é a ilusão de que se tem o conhecimento, quando verdadeiramente não o tem! O pior ignorante é aquele que se acha esperto, inteligente e bem informado! Só ele tem razão, é o dono da verdade absoluta, aliás só ele tem raciocínio lógico, mas de fato nem cultura tem, pois nem sabe distinguir informação de conhecimento!

Hoje, poucos não têm acesso à informação. A maioria dos ignorantes são os iludidos digitais incapazes de analisar, refletir, criticar e optar de forma consciente e tolerante. É muito fácil identificá-los:

1) eles têm certeza absoluta em tudo que fazem e pensam, menosprezando a inteligência dos demais; 

2) acreditam em dogmas insanos e filósofos malucos; 

3) têm preguiça mental em questionar e refletir, sendo grosseiros com quem faz isto ao seu lado; 

4) cuidado com eles, são perigosos e de índoles ruins!

RELEXÃO FINAL

Do conhecimento vem a sabedoria e a civilidade, enquanto que da ignorância vem a grosseria! A grosseria é o antídoto do diálogo usado pelos ignorantes! Diálogo é um ouvir o outro e vice-versa, com tempo e com atenção, e isso se chama civilidade. E no diálogo há o tempo de escutar. Para escutar temos que entender que não somos o único a saber, que outras formas de ver e viver o mundo existem. Escutar, pois bem. É muito bom, até o silêncio diz coisas incríveis ao nosso cérebro.       

(Alberto Consolaro é professor titular da USP
em Bauru-SP

26.9.21

Um moscão operando um notebook

Hélio Consolaro é professor, jornalista e escritor. Araçatuba-SP

Viver a situação é o melhor caminho, nada de julgar. Nem todos participam das lives, das videoconferências, principalmente os mais velhos. Geralmente possuem apenas o celular para o zap, que não é lá muito bom, som baixo, tela pequena. Quando o palestrante fala, escuta-se pouco, ao expor eslaides, não vê quase nada. Então, concluem que é melhor deixar isso pra lá. 

Não tenho paciência de participar dessas coisas pelo celular, nem mesmo ampliando o som por uma caixinha via  bluetooth, gosto mesmo do notebook, tela maior, som melhor. 

Outro dia, tudo preparado, em plena noite de sexta-feira, para participar do clube de leitura da Academia Araçatubense de Letras. Eis que o notebook comunicou que estava sem câmera (embutida), pois ela fora desinstalada. 

Não havia imagem, nem som. Tentei o celular, aquela coisa desajeitada para tais tarefas. Saí da reunião. Apalpei o notebook dali, cutuquei de lá e nada! Frustração. Pensei: "No sábado de manhã, levo esse danado ao Diego (o meu socorro), quero ver se ele vai teimar."

No sábado, lá fui. O cara não achou nenhum botão que desligasse a câmera. "Esta câmara está desligada, Consa!" De repente, pronto! Problema resolvido.

Estou escrevendo sobre isso porque sei que tais foras não acontecem apenas comigo. Mais comigo, nem tanto com os outros. Diego me disse que eu havia apertado duas teclas (FN-F11), o suficiente para desligar a câmera. Pensei: "Como consegui apertar involuntariamente duas teclas de maneira concomitante? Com o Consa tudo é possível "

- Diego, ainda bem que o problema era aquela peça fora do computador. Ficou mais barato. Paguei o serviço e fui.

Pelo caminho, mais pensando do que dirigindo, descobri a causa. Como meu pai dava um trato nas ferramentes de tempo e tempo, era carpinteiro. Fui fazer o mesmo.

Aquela limpeza necessária, até entre as teclas. Nessa faxina, encontra-se até caca de nariz. Credo! E então, o moscão aqui, desligou a câmera sem querer.  

E eu perdi de ver e ouvir a minha ex-professora do ensino médio Cidinha Baracat falar sobre um conto de Machado de Assis e nem ouvi as elocubrações acadêmicas dos doutores em letras Tito Damazo e Carlos Brefore. 

Assim termino esta crônica como faz o estudante em sua redação, se preparando para o vestibular: nem tudo acontece como a gente quer, com o tema: "Dificuldades do cotidiano"

Ou como faz um estudante do fundamental 2: nunca mais vou falar mal dos analfabetos digitais.

24.9.21

Que cafonice! Primeira-dama toma vacina covid-19 nos Estados Unidos

 

Hélio Consolaro é professor, jornalista e escritor. Araçatuba-SP

Há certas entidades machistas em nossa sociedade em que a mulher é apenas um penduricalho; Araçatuba tem filiais delas. Há quase 30 anos, o Rotary acabou com isso, porque a mulher também pode ser uma associada; embora a Casa da Amizade continue fazendo caridades, como acontece com as mulheres de prefeitos, governadores e presidentes da República. Nem a esquerda consegue fugir de tais padrões.   

Entre os presidentes Michel Temer, bem velhão, e Jair Bolsonaro, outro madurão, há uma igualdade gritante além das cartas: os dois são casados com mulheres bem mais novas, mocinhas. Não gostam de velhas. Como dizem os machistas de mesmo comportamento: não querem comer carne de pescoço sozinhos, preferem repartir o filé mignon.     

Ter um marido velho e não fazer extravagâncias, não vale a pena. Ainda mais quando a mocinha é pobre, periferia de Brasília. Como dizem os ricos  quatrocentões: exercer a riqueza com discrição precisa de maestria e caráter. 

Assim Michelle Bolsonaro esqueceu a pátria amada e impôs:

- Quero ser vacinada em Nova York! É chique! Não importa a marca da vacina. Tem que ser na sede do mundo! Não quero me misturar com essa gentinha do SUS.

E a banda da pobreza que foi definida por Delfim Neto como aquela que é uma burguesia que não deu certo, com mentalidade subserviente, dá o eu pitaco:

- Michelle está certa. Se fosse eu, faria o mesmo! 

O provincianismo não para por aí. Há governadores que não se trataram de covid-19 em seus estados, prefeitos do interior que foram para as capitais  se curarem da covid-19. O próprio presidente Bolsonaro não confia na medicina do Rio de Janeiro, prefere se tratar em São Paulo. 

Há uma exceção: o prefeito de Araçatuba, Dilador Borges, e sua esposa, quando contaminados pela covid-19, não chegaram a se internar na Santa Casa de Araçatuba pelo SUS, o sistema que Dilador administra; mas ficaram na cidade mesmo, no Hospital da Unimed. 

O presidente da CPI do Genocídio, Omar Aziz (PSD-AM), parabenizou Michelle por ter se imunizado, mas deu nota zero por ter feito no exterior. 

23.9.21

A ONU e o mundo se ridicularizam diante de Bolsonaro - Eliane Brum - El País

O resumo do discurso na ONU 

Ao debochar da democracia em palco global, o presidente do Brasil cumpre sua agenda pessoal com louvor

Ao comparecer a Nova York e abrir a Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas, Jair Bolsonaro foi apresentado no noticiário brasileiro e internacional como um pária do mundo, que comia pizza em pé na calçada porque não estava vacinado. Estou na contramão desta análise. O ultradireitista que governa o Brasil não envergonhou nem a si mesmo nem ao país. Me parece exatamente o oposto. Bolsonaro debochou da democracia em palco global, teve suas mentiras traduzidas em várias línguas e voltou para casa aclamado por seus seguidores pela sua autenticidade e coragem de afrontar a parte do planeta que despreza.

Ao receber um mandatário que ostenta o fato de não ter tomado vacinas como um troféu, e isso quando os Estados Unidos enfrentam uma piora na pandemia devido à variante delta, a vergonha é dos Estados Unidos de Joe Biden e da Nova York de Bill de Blasio. A vergonha é, principalmente, da ONU. Bolsonaro afronta o combate à pandemia com atos e fatos e atravessa a fronteira americana todo serelepe porque a ONU se mostrou incapaz de riscar o chão diante da Rússia de Vladimir Putin, que se contrapôs com veemência à intenção de barrar quem não estivesse vacinado. Bolsonaro também vai rir por muito tempo pela façanha de abrir a assembleia do mais simbólico pilar da ordem mundial após a Segunda Guerra disseminando mentiras explícitas. Aplicou na ONU um deboche em nível planetário.

De nada adianta estampar no noticiário um Bolsonaro patético, objeto de piadas e de charges na imprensa. Bolsonaro entrou nos Estados Unidos sem vacina e este é o fato principal. Também pouco adianta fazer matérias e análises provando que ele mentiu sobre quase tudo. Seus seguidores, assim como uma parcela de não seguidores, considera tudo o que a imprensa afirma como fake news e nem sequer a lê, assiste ou escuta. Parte do planeta, e não só do Brasil, acredita que pode escolher o que é a verdade se a mentira lhe convém. Também não está fácil, é necessário dizer, ouvir, assistir e ler setores da imprensa repetindo coisas como “contrariando a expectativa da ala moderada do governo, Bolsonaro não moderou o tom no discurso na ONU”. Sério que ainda tem gente para afirmar expectativas do gênero como se acreditasse nisso?

É assim que ditadores eleitos como Bolsonaro destroem a democracia desde dentro. Se os instrumentos democráticos e as instituições que os representam são incapazes de impedir alguém como Bolsonaro de discursar sem vacina, presencialmente, na ONU, para que servem? Do mesmo modo, se tudo o que as instituições brasileiras conseguem produzir são (mais) discursos sobre como Bolsonaro envergonha o país, em vez de usar os instrumentos democráticos previstos na Constituição para impedi-lo de seguir governando, para que servem, então?

Gostaria de afirmar que esse pesadelo acontece porque a democracia e suas instituições não previram criaturas como Bolsonaro, mas seria inaceitável ingenuidade sob qualquer ponto de vista, inclusive o histórico. Bolsonaro é produto das deformações de uma democracia que nunca alcançou as camadas mais desamparadas da população e é produto do cinismo do capitalismo liberal. A cena com Boris Johnson é um exemplo disso. Supostamente o primeiro-ministro britânico, um direitista caricato, teria dado um “puxão de orelhas” em Bolsonaro por não tomar vacina, mas é só jogo de cena. O que importa é que um sorridente BoJo apertou a mão de um sorridente Bolsonaro às vésperas da Cúpula do Clima de Glasgow, apesar de o presidente brasileiro estar levando a maior floresta tropical do planeta ao ponto de não retorno.

Bolsonaro está onde está porque as corporações e os governos que as representam ainda faturam e têm vantagens com ele na presidência. Bolsonaro está onde está porque grande parte do empresariado brasileiro, assim como dos especuladores, acredita que ainda pode obter mais lucro com ele no poder do que fora dele. Ao mostrar o dedo médio aos manifestantes contra Bolsonaro, Marcelo Queiroga afirmou a verdade mais profunda da Assembleia Geral da ONU. E agora o ministro da Saúde do país que beira os 600 mil mortos por covid-19 descansa em um hotel de luxo de Nova York enquanto faz quarentena por, claro, ter testado positivo para o vírus.

Assim caminha a democracia e seus pilares globais. E ainda há quem se surpreenda que morram, esquecendo-se que para morrer é necessário primeiro estar vivo.

Eliane Brum é escritora, repórter e documentarista. Autora de oito livros, entre eles ‘Brasil, Construtor de Ruínas: um olhar sobre o país, de Lula a Bolsonaro’ (Arquipélago). Site: elianebrum.com Email: elianebrum.coluna@gmail.com Twitter, Instagram e Facebook: @brumelianebrum

22.9.21

Araçatuba está no circuito nacional de estreia de "No ritmo do coração" - Cineflix - Shopping Praça Nova - quinta-feira, 23/09


Nesta quinta, estreia o belíssimo filme No Ritmo do Coração pelo Projeto Belas Artes. O filme foi premiado no Festival de Sundance desse ano e deve atrair o público de deficientes auditivos, por esse motivo a maioria das sessões na versão legendada 

"No Ritmo do Coração" conta a história de uma família com deficiência auditiva que comanda um negócio de pesca em Gloucester, nos Estados Unidos. Ruby (Emilia Jones), a única pessoa da família que escuta, ajuda os pais e o irmão surdo com as atividades do dia-a-dia. Na escola, ela se junta ao coral, onde acaba se envolvendo romanticamente com um de seus colegas. Com o tempo, ela percebe que tem uma grande paixão por cantar e seu professor a encoraja a tentar entrar em uma escola de música. A jovem, então, precisa decidir entre continuar ajudando sua família ou ir atrás de seus sonhos.

SALA 5 - DUBLADO 

23/09/2021 - Quinta-Feira: 16:30h 
24/09/2021 - Sexta-Feira: 16:30h 
25/09/2021 - Sábado: 16:30h 
26/09/2021 - Domingo: 16:30h 
27/09/2021 - Segunda-Feira: 16:30h 
28/09/2021 - Terça-Feira: 16:30h 
29/09/2021 - Quarta-Feira: 16:30h 

SALA 5 - LEGENDADO

23/09/2021 - Quinta-Feira: 18:50h - 21:10h 
24/09/2021 - Sexta-Feira: 18:50h - 21:10h 25/09/2021 - Sábado: 18:50h - 21:10h 
26/09/2021 - Domingo: 18:50h - 21:10h 
27/09/2021 - Segunda-Feira: 18:50h - 21:10h 
28/09/2021 - Terça-Feira: 18:50h - 21:10h 29/09/2021 - Quarta-Feira: 18:50h - 21:10h 

21.9.21

Criar redes de apoio - Gervásio Antônio Consolaro


Somos a média das cinco pessoas com as quais passamos mais tem
po. Jim Rohn

Estes não são tempos de lobos solitários. São tempos de solidariedade, de trabalhar em equipe, de intercambiar conhecimentos, de complementar os talentos e unir forças. Estamos saindo da era depredadora do egoísmo, que tanta destruição e desigualdade deixou no mundo, e estamos entrando na espiral da colaboração e das redes de apoio. Podemos presenciar esta tendência hoje em dia nos negócios do mundo digital que não são se baseiam no princípio da competitividade, mas no das alianças um ganha/ganha.

Para avançar na conquista de seus sonhos é  muito importante que você estabeleça uma rede de apoio com quatro elementos essenciais: tribo, os mentores, o círculo de influência e o serviço.

ENCONTRE SUA TRIBO: a tribo é esse grupo de pessoas com quem você vibra e ressona, compartilha os mesmos valores, tem interesses em comum e caminham juntos em direção a um mesmo propósito na vida.

Uma tribo abraça desde o criação e acelera seu processo de crescimento pessoal.

Essas pessoas servirão de espelho para ver seus defeitos e virtudes, descobrir os aspectos que você deve trabalhar e que lhe permitem polir com consciência o diamante interno.

A tribo ajuda a sanar as feridas do coração, como a rejeição, o abandono, a solidão, o sentimento de injustiça ou o medo de traição.

Uma  tribo inspira, motiva; lhe dá contenção quando dela necessitar;  celebra suas conquistas; dá força para enfrentar os desafios; oferece alento quando você crê que tudo está perdido; oferece o presente da amizade. E, oferece a oportunidade de aprender a amar, escutar, compreender e ajudar outros como você, que estão na busca da felicidade.

APRENDA COM MENTORES E MESTRES: a vida é um constante dar e receber, aprender e ensinar. No caminho da ousadia, é importante que você se inspire em mestres e mentores e aprenda o que eles têm para dar, por sua experiência de vida e sabedoria alcançada. São nossos avós, pais, tios, professores, líderes organizacionais, líderes políticos, porque não. Tudo que você deve a eles por terem transmitido um conhecimento e pelos treinamentos especiais que levaram você a despertar e a sair da ignorância.

ESCOLHA SEU CÍRCULO DE INFLUÊNCIA: as pessoas que o rodeiam exercem uma grande influência em sua vida, especialmente aquelas cinco com as que você compartilha seu tempo e sua energia.

BUSQUE SERVIR OS DEMAIS: o segredo da felicidade verdadeira está em servir aos demais. Podemos observar a qualidade do seviço na natureza: o Sol ilumina todos os seres; a água aplaca a sede, refresca purifica, sem guardar nada para si mesma. Servir é pratica a generosidade com o mundo.

De que serve ter riqueza ou sustento se não é para compartilhar com os demais?

De que serve sermos felizes se os demais ao redor são infelizes?

De que serve acumular conhecimento se não é para ensinar os outros?

Ao final, por natureza, somos seres sociais e afetivos. Vivemos e existimos em uma relação de interdependência com todos os seres. Portanto, o serviço aos demais é parte do propósito da vida.  

GERVÁSIO ANTÔNIO CONSOLARO - diretor regional da  Assoc. Fiscais de Rendas-SP, consultor tributário, agente fiscal de rendas aposentado, ex-delegado regional tributário, ex-assessor executivo da Prefeitura de Araçatuba, administrador, contador, bacharel em Direito, pós-graduado em Direito Tributário, curso  de gestão pública avançada pela Amana  Key e coach pela SBC.            g.consolaro@yahoo.com.br   



Atrasar sim, fazer esperar não! - Alberto Consolaro

        

Fazer o outro esperar é falta de civilidade e esperar não é saber!

 Atrase o que quiser como pagamento do cartão de crédito, boletos, parcela do financiamento, enfim o que você optar. O que não é justo é fazer os outros esperar por desorganização de sua parte: é uma falta muito primitiva de civilidade!

Algumas pessoas dizem que atrasar é falta de educação, mas não é. Não ofenda a educação por isso! Fazer alguém esperar é bem mais primitivo em uma sociedade organizada que visa o bem de todos. Fazer o outro esperar é falta de CIVILIDADE, quase uma falta de humanidade.

Outros acham que atrasar e fazer os outros esperarem é uma questão cultural! Pelo amor de meus filhinhos – narraria Sílvio Luís! Tenhamos amor à cultura e não a ofendamos. Em uma trajetória ascendente de refinamento evolutivo teríamos: civilidade, educação e cultura!

Precisamos ter coerência: se fizer os outros esperarem pelos seus atrasos, também tem que atrasar os pagamentos dos boletos, parcelas e financiamentos com suas multas e juros! Para não ficar a impressão de que quem atrasa considera o dinheiro muito mais importante dos que os humanos como namorados, cônjuges, alunos, pacientes, enfermeiros, amigos e família.

Quem faz o outro esperar induz sentimentos e energias ruins nas vítimas desta conduta. Elas deixam de admirar o atrasado, duvidam da sua seriedade e até questionam suas relações quanto a empatia, honestidade e humanidade. Se bem que a humanidade anda mesmo atrasada com os princípios mais elementares de civilidade.

 Se considera que tens o direito de fazer os outros esperarem como clientes, pacientes, alunos, funcionários e outros, pelo menos seja coerente e deixe esperando também os chefes, reitores, diretores, executivos, policiais, prefeitos, vereadores e as outras pessoas mais poderosas com quem vai falar! Ninguém tem o direito de fazer o outro esperar, exceto quando uma causa muito justificada e explicitada seja antes apresentada.

APRENDENDO

Em cursos de prática docente na universidade me perguntam como trato com os atrasos persistentes? Onde frequento, procuro informações sobre as atividades e a instituição. Na escola, sei quanto custa cada pessoa para a família ou governo. Graduação, mestrado, doutorado ou especialização, sei quanto custa cada hora que se passa e sempre divido por 4 para saber quanto custa cada 15 minutos.

Quando os atrasados tentam roubar a atenção, com respeito e alegria, digo: Paremos para uma reflexão! Quem sabe quanto custa cada um, por mês, para o estado ou para a família, estarem aqui? E escrevo no quadro o valor de 200 reais por hora! Tiro do bolso duas notas de 100 reais que, de longe, ninguém diz ser cópias! O mesmo faço com uma nota de 50. E afirmo assim: - a cada hora de atraso para começar a aula, cada um de vocês, estará rasgando duas notas de 100 reais e rasgo! Comoção geral. Se for de meia hora, estarão rasgando cada um 100 reais e rasgo de novo. Mas se o atraso da aula for de 15 minutos, rasga-se cada um, uma nota de 50 reais!

 Se termino meia hora mais cedo, estarão rasgando cem reais! O mesmo acontece quando você sai mais cedo do que devia. Agora já sabem quanto custa cada 15 minutos de vocês por aqui! Depois disto, se cobram para não chegarem atrasado e não comemoram mais quando dispensados de uma aula ou quando a aula termina mais cedo! É prejuízo certo!

REFLEXÃO FINAL

Em países civilizados se tem o custo de cada hora em qualquer atividade. Os atrasados dirão: mas fica muito sem graça! Pelo contrário, o tempo jogado fora, se usa fazendo coisas com quem se ama! Se quiser atrasar, faça, mas sem que as outras pessoas te esperem, elas não merecem isto, pois já dizia o poeta popular: “que esperar não é saber”!    

Alberto Consolaro é professor titular da USP
em Bauru - consolaro@uol.com.br

 

 

 

Programação de filmes do Cineflix no Shopping Praça Nova de Araçatuba, de 23 a 29 de setembro de 2021

 

A abelhinha Maya e o ovo dourado

SHANG-CHI E A LENDA DOS DEZ ANÉIS (D) (DUBLADO) (SHANG-CHI AND THE LEGEND OF THE TEN RINGS) Classificação: 12 anos, Ano de Produção: 2021, Idioma: INGLÊS, Diretor: Destin Daniel Cretton, Duração: 02:15:00h, com: Simu Liu, Awkwafina, Tony Chiu-Wai Leung 

SALA 1 

23/09/2021 - Quinta-Feira: 20:40h 24/09/2021 - Sexta-Feira: 20:40h 25/09/2021 - Sábado: 20:40h 
26/09/2021 - Domingo: 20:40h 27/09/2021 - Segunda-Feira: 20:40h 28/09/2021 - Terça-Feira: 20:40h 29/09/2021 - Quarta-Feira: 20:40h

SALA 2 

23/09/2021 - Quinta-Feira: 17:15h - 20:00h 
24/09/2021 - Sexta-Feira: 17:15h - 20:00h 25/09/2021 - Sábado: 17:15h - 20:00h 26/09/2021 - Domingo: 17:15h - 20:00h 27/09/2021 - Segunda-Feira: 17:15h - 20:00h 
28/09/2021 - Terça-Feira: 17:15h - 20:00h 29/09/2021 - Quarta-Feira: 17:15h - 20:00h 

SALA 3 

25/09/2021 - Sábado: 14:05h 
26/09/2021 - Domingo: 14:05h 

PATRULHA CANINA: O FILME (D) (DUBLADO) (PAW PATROL: THE MOVIE) Ano de Produção: 2020, Idioma: INGLÊS, Diretor: Cal Brunker, Duração: 01:26:00h.

 SALA 1 

23/09/2021 - Quinta-Feira: 16:40h 24/09/2021 - Sexta-Feira: 16:40h 25/09/2021 - Sábado: 14:40h - 16:40h 26/09/2021 - Domingo: 14:40h - 16:40h 27/09/2021 - Segunda-Feira: 16:40h 28/09/2021 - Terça-Feira: 16:40h 29/09/2021 - Quarta-Feira: 16:40h

MALIGNO (D) (DUBLADO) (MALIGNANT) Classificação: 16 anos, Ano de Produção: 2021, Idioma: INGLÊS, Diretor: James Wan, Duração: 01:53:00h, com: Annabelle Wallis, Maddie Hasson, Jake Abel 

SALA 4 

23/09/2021 - Quinta-Feira: 19:00h 24/09/2021 - Sexta-Feira: 19:00h 25/09/2021 - Sábado: 19:00h 
26/09/2021 - Domingo: 19:00h 27/09/2021 - Segunda-Feira: 19:00h 28/09/2021 - Terça-Feira: 19:00h 29/09/2021 - Quarta-Feira: 19:00h 

MATE OU MORRA (D) (DUBLADO) (BOSS LEVEL) Classificação: 16 anos, Ano de Produção: 2021, Idioma: INGLÊS, Diretor: Joe Carnahan, Duração: 01:41:00h, com: Annabelle Wallis, Mel Gibson, Naomi Watts 

SALA 4 

23/09/2021 - Quinta-Feira: 21:25h 24/09/2021 - Sexta-Feira: 21:25h 25/09/2021 - Sábado: 21:25h 
26/09/2021 - Domingo: 21:25h 27/09/2021 - Segunda-Feira: 21:25h 28/09/2021 - Terça-Feira: 21:25h 29/09/2021 - Quarta-Feira: 21:25h 

ESCAPE ROOM 2: TENSÃO MÁXIMA (D) (DUBLADO) (ESCAPE ROOM 2)  Classificação: 14 anos, Ano de Produção: 2021, Idioma: INGLÊS, Diretor: Adam Robitel, Duração: 01:30:00h, com: Indya Moore, Holland Roden, Logan Miller 

SALA 1 

23/09/2021 - Quinta-Feira: 18:40h 24/09/2021 - Sexta-Feira: 18:40h 25/09/2021 - Sábado: 18:40h 
26/09/2021 - Domingo: 18:40h 27/09/2021 - Segunda-Feira: 18:40h 28/09/2021 - Terça-Feira: 18:40h 29/09/2021 - Quarta-Feira: 18:40h 

NO RITMO DO CORAÇÃO (D) (DUBLADO) (CODA) Classificação: 14 anos, Ano de Produção: 2020, Idioma: INGLÊS, Diretor: Sian Heder, Duração: 01:51:00h, com: Emilia Jones, Marlee Matlin, Troy Kotsur 

SALA 5 

23/09/2021 - Quinta-Feira: 16:30h 24/09/2021 - Sexta-Feira: 16:30h 25/09/2021 - Sábado: 16:30h 
26/09/2021 - Domingo: 16:30h 27/09/2021 - Segunda-Feira: 16:30h 28/09/2021 - Terça-Feira: 16:30h 29/09/2021 - Quarta-Feira: 16:30h 

NO RITMO DO CORAÇÃO (L) (LEGENDADO) (CODA) Classificação: 14 anos, Ano de Produção: 2020, Idioma: INGLÊS, Diretor: Sian Heder, Duração: 01:51:00h, com: Emilia Jones, Marlee Matlin, Troy Kotsur 

SALA 5 

23/09/2021 - Quinta-Feira: 18:50h - 21:10h 
24/09/2021 - Sexta-Feira: 18:50h - 21:10h 25/09/2021 - Sábado: 18:50h - 21:10h 26/09/2021 - Domingo: 18:50h - 21:10h 27/09/2021 - Segunda-Feira: 18:50h - 21:10h 
28/09/2021 - Terça-Feira: 18:50h - 21:10h 29/09/2021 - Quarta-Feira: 18:50h - 21:10h 

A CASA SOMBRIA (D) (DUBLADO) (THE NIGHT HOUSE) Classificação: 14 anos, Ano de Produção: 2020, Idioma: INGLÊS, Diretor: David Bruckner, Duração: 01:37:00h, com: Rebecca Hall, Sarah Goldberg, Stacy Martin 

SALA 3 

23/09/2021 - Quinta-Feira: 16:50h - 19:15h - 21:30h 
24/09/2021 - Sexta-Feira: 16:50h - 19:15h - 21:30h 
25/09/2021 - Sábado: 16:50h - 19:15h - 21:30h 
26/09/2021 - Domingo: 16:50h - 19:15h - 21:30h 
27/09/2021 - Segunda-Feira: 16:50h - 19:15h - 21:30h 
28/09/2021 - Terça-Feira: 16:50h - 19:15h - 21:30h 
29/09/2021 - Quarta-Feira: 16:50h - 19:15h - 21:30h 

A ABELHINHA MAYA E O OVO DOURADO (D) (DUBLADO) (MAYA THE BEE 3: THE GOLDEN ORB) Ano de Produção: 2020, Idioma: INGLÊS, Diretor: Noel Cleary, Duração: 01:38:00h. 

SALA 4 

23/09/2021 - Quinta-Feira: 17:00h 24/09/2021 - Sexta-Feira: 17:00h 25/09/2021 - Sábado: 15:00h - 17:00h 26/09/2021 - Domingo: 15:00h - 17:00h 27/09/2021 - Segunda-Feira: 17:00h 28/09/2021 - Terça-Feira: 17:00h 29/09/2021 - Quarta-Feira: 17:00h 

SALA 5 

25/09/2021 - Sábado: 14:10h 
26/09/2021 - Domingo: 14:10h

Poesia nos muros - um projeto para Araçatuba

Hélio Consolaro* 

Escrever poesia nos muros e paredes da cidade é uma ideia antiga, que teve edições anteriores mesmo Araçatuba-SP, mas quem renovou a proposta foi a professora Marisa Barbosa, da UniSalesiano, membro do Conselho Municipal de Políticas Municipais.

Vi a proposta na pauta (represento a AAL no conselho), mas como o CMPC não é um órgão executivo, eu perguntei à Marisa  se queria uma parceria da Academia Araçatubense de Letras (AAL). Ela topou, o Arnon Gomes e Fátima Tolentino também, assim começamos as reuniões: Grupo Experimental e AAL.

Dia 28 próximo, terça-feira, 19h30, com projeto redigido, vamos fazer uma conferência presencial entre os membros dos dois grupos e mais alguém da cidade que gostou da ideia: máscara, álcool, distanciamento e o pátio arejado. Vamos organizar coletivamente as ações. 

Não bastam os poetas, precisamos dos artistas plásticos. Apenas sonhos não são suficientes, então, vamos precisar de tintas, pincéis. Ter equipe para buscar os muros e paredes, pegar autorização, fazer tudo dentro da lei.

Trata-se da pintura de trechos de poesias, aforismos e haicais de poetas consagrados (50%) e poetas de Araçatuba – SP (50%), nos muros e edifícios privados ou públicos. A sede do projeto funcionará na Academia Araçatubense de Letras.

Qual é o objetivo desses malucos? Porque quem é normalzinho não vai correr atrás disso. Que impacto se pretende causar com este projeto?

 1) Surpreender as pessoas com arte, de forma inusitada, livre e provocativa.

 2) Produzir nessas pessoas reflexão e questionamento sobre a vida e seu cotidiano.

3) Incentivar a leitura, com a divulgação das poesias e dos nomes dos poetas.

4) Ressignificar os muros e paredes da cidade: ao invés de se isolar, comunicar.  

Leia o que a professora Marisa Barbosa escreveu para você se motivar ainda mais: 

'“Poesia nos muros' pretende ser um presente, um desafio, um respiro, uma fuga para transeuntes, motoristas, passageiros, uma quebra na rotina, uma reflexão para o dia a dia de centenas de pessoas que passam pelas ruas, cheias de signos e propagandas por todos os lados, e principalmente, um convite à leitura e à uma nova percepção do cenário urbano, usando a arte como canal de compreensão do mundo, com um desejo enorme de diminuir a distância tão comum com a literatura e como meio para questionar e transformar a vida urbana cotidiana."

 Motivado, caro leitor? Então, compareça, vai sobrar serviço para todos: rua Joaquim Nabuco, 210 - centro: aracaletras@outlook.com  

Todos os moradores de Araçatuba têm obrigação de tornar sua cidade mais bonita, mais saudável e sustentável. 

*Hélio Consolaro é professor, jornalista e escritor. Membro da Academia Araçatubense de Letras


Ai! O dedo do ministro!

 


Hélio Consolaro é professor, jornalista e escritor. Araçatuba-SP

Será que vou ter estômago para escrever sobre o dedo do ministro? Ele não é urologista, mas cardiologista. Ainda bem, porque o dedo do paraibano é grosso. Sem problemas, porque o exame de toque da próstata caiu em desuso.

Dr. Marcelo Queiroga preferiu defender o seu chefe a ficar bem com os brasileiros, porque a dedada se multiplicou pelas mídias afora. 

Eu estava junto com um bolsonarista quando tal cena passou na televisão, e ele gritou: "Ai! O dedo do ministro!". Eu eu respondi-lhe: "Aqui não doeu, pois não votei nessa turma".   

No afã de assumir o papel de pau mandado do Capitão Cloroquina, Queiroga se esqueceu das boas maneiras tão pregadas por sua classe social. Talvez tenha voltado no tempo e se lembrado das arruaças de  de estudante.

As provocações da plebe ignóbil (assim é tratado o povão aos olhos de um demagogo) foram tensas e intensas em Nova York, mas uma autoridade precisa ter nervos de aço. Acenar a cabeça com um sorriso irônico e tocar em frente. Na próxima parada, tomar um uísque para relaxar. 

Seu antecessor, Pazuello, apesar de ter aberto o Ministério da Saúde à corrupção, era um senhor mais fino. Com certeza, daqui para frente, Marcelo Queiroga, será o homem de confiança de Bolsonaro, vai até receitar cloroquina. Senão já o fizera.  

Sem falar sobre a situação da comitiva presidencial que foi tratada em Nova York como párias, comendo em quiosque e na calçada. Não foi por opção, porque dinheiro do povo para gastar com seu cartão corporativo foi muito. Na verdade, a cidade se fechou a um não vacinado que ainda acha ser a terra plana.  

Discursar na ONU foi um jeito de passear, porque em palavras, no seu discurso, Bolsonaro fez também um gesto obsceno, como mostrou na sua charge Renato Aroeira.

E o atual presidente do Brasil não é de religião africana, nem foi encontrado aqui como indígena, é um imigrante europeu: gente fina, homem de bem.     

19.9.21

Centenário de nascimento de Paulo Freire

Documentário da TV Cultura de São Paulo aos 100 anos de nascimento do educador Paulo Freire 


Homenagem do Google ao centenário de Paulo Freire - 2021
 

18.9.21

Não vem! Como viver?


Hélio Consolaro é professor, jornalista e escritor. Araçatuba-SP 

A poesia não é a chuva, é o barulho da chuva - Ondjaki 

A chuva já não faz barulho no telhado como fora na infância, mas os pingos caem no corredor, parecendo uma canção de ninar. Eu me encolho debaixo da colcha de retalhos.  

Quem mora em apartamento, nem sabe quando está chovendo. As águas pluviais significam várias coisas, depende do lugar em que cada um está no mundo. Quem mora em área de risco nas cidades reza para espantar a chuva.  

Eu me sinto contente com a chuva, estou confortável numa cama, tenho uma casa, minha família está protegida também noutras casas, mas a chuva pode ser destruição.

Quando a gente avança na idade, as pequenas coisas ganham um grande significado. Se na infância é gostoso brincar na chuva; na velhice, se proteger dela é muito bom. Causa contentamento.

Se na juventude, eu queria mudar o mundo com volúpia, como se fosse um trator, achando tudo errado, agora, aos 70 anos, já me coloco na minha insignificância, preciso primeiro mudar a mim mesmo. 

Mas também não me arrependo de minha fogosidade juvenil, pois o segredo da vida é aprender com os erros. Se sou isso que sou, porque fui aquilo que fui. Ninguém chega pronto no final da estrada, a viagem é um processo.

Quando a Helena me chama: "O almoço está pronto!" - cozinhar é o seu hobby - vejo aquela mesa posta com muito amor apenas para dois. Ainda tenho quem põe a mesa para mim. Não sei quem de nós, eu ou ela, vai ter que preparar o banquete apenas para si mesmo. Será uma tristeza.

Às vezes, me sinto egoísta usufruindo dessa alegria, deste conforto, tudo muito simples: aurea mediocritas; minha consciência está uma pena, porque quando tinha vigor, não deixei ninguém para trás, alegando que a carga era pesada. 

Cadê a chuva? Não vem! Como viver? Espantar a chuva não é andar de guarda-chuva em tempo seco, é destruir a natureza, não deixar o outro viver, essas maldades que fazemos coletivamente. As bênçãos do céu estão vindo em forma de labaredas.   

16.9.21

Programação de filmes do Cineflix de Araçatuba no Shopping Praça Nova , de 16 a 22/09/2021

Filme: Maligno
O PODEROSO CHEFINHO 2: NEGÓCIOS DA FAMÍLIA (D) (DUBLADO) (BOSS BABY 2) Ano de Produção: 2021, Idioma: INGLÊS, Diretor: Tom McGrath, Duração: 01:47:00h.

 SALA 1 

18/09/2021 - Sábado: 14:40h 
19/09/2021 - Domingo: 14:40h PEDRO

COELHO 2: O FUGITIVO (D) (DUBLADO) (PETER RABBIT 2) Ano de Produção: 2021, Idioma: INGLÊS, Diretor: Will Gluck, Duração: 01:44:00h, com: Rose Byrne, Domhnall Gleeson, David Oyelowo 

SALA 3 

18/09/2021 - Sábado: 14:40h 
19/09/2021 - Domingo: 14:40h 

AFTER: DEPOIS DO DESENCONTRO (D) (DUBLADO) (AFTER WE FELL) Classificação: 16 anos, Ano de Produção: 2021, Idioma: INGLÊS, Diretor: Castille Landon, Duração: 01:39h, com: Mira Sorvino, Arielle Kebbel, Hero Fiennes Tiffin 

SALA 3 

16/09/2021 - Quinta-Feira: 16:40h 17/09/2021 - Sexta-Feira: 16:40h 18/09/2021 - Sábado: 16:40h 
19/09/2021 - Domingo: 16:40h 20/09/2021 - Segunda-Feira: 16:40h 21/09/2021 - Terça-Feira: 16:40h 22/09/2021 - Quarta-Feira: 16:40h 

SHANG-CHI E A LENDA DOS DEZ ANÉIS (D) (DUBLADO) (SHANG-CHI AND THE LEGEND OF THE TEN RINGS) Classificação: 12 anos, Ano de Produção: 2021, Idioma: INGLÊS, Diretor: Destin Daniel Cretton, Duração: 02:15:00h, com: Simu Liu, Awkwafina, Tony Chiu-Wai Leung 

SALA 2 

16/09/2021 - Quinta-Feira: 18:00h - 20:45h 
17/09/2021 - Sexta-Feira: 18:00h - 20:45h 18/09/2021 - Sábado: 16:15h - 19:00h - 21:45h 
19/09/2021 - Domingo: 18:00h - 20:45h 20/09/2021 - Segunda-Feira: 16:15h - 19:00h - 21:45h 
21/09/2021 - Terça-Feira: 16:15h - 19:00h - 21:45h 
22/09/2021 - Quarta-Feira: 16:15h - 19:00h - 21:45h 

SALA 4 

18/09/2021 - Sábado: 14:35h 
19/09/2021 - Domingo: 14:35h 

SHANG-CHI E A LENDA DOS DEZ ANÉIS (L) (LEGENDADO) (SHANG-CHI AND THE LEGEND OF THE TEN RINGS) Classificação: 12 anos, Ano de Produção: 2021, Idioma: INGLÊS, Diretor: Destin Daniel Cretton, Duração: 02:15:00h, com: Simu Liu, Awkwafina, Tony Chiu-Wai Leung 

SALA 5 

16/09/2021 - Quinta-Feira: 21:10h 17/09/2021 - Sexta-Feira: 21:10h 18/09/2021 - Sábado: 21:10h
19/09/2021 - Domingo: 21:10h 20/09/2021 - Segunda-Feira: 21:10h 21/09/2021 - Terça-Feira: 21:10h 22/09/2021 - Quarta-Feira: 21:10h 

PATRULHA CANINA: O FILME (D) (DUBLADO) (PAW PATROL: THE MOVIE) Ano de Produção: 2020, Idioma: INGLÊS, Diretor: Cal Brunker, Duração: 01:26:00h, com: . 

SALA 5 

16/09/2021 - Quinta-Feira: 17:10h - 19:10h 
17/09/2021 - Sexta-Feira: 17:10h - 19:10h 18/09/2021 - Sábado: 15:10h - 17:10h - 19:10h 
19/09/2021 - Domingo: 15:10h - 17:10h - 19:10h 
20/09/2021 - Segunda-Feira: 17:10h - 19:10h 
21/09/2021 - Terça-Feira: 17:10h - 19:10h 22/09/2021 - Quarta-Feira: 17:10h - 19:10h 

MALIGNO (D) (DUBLADO) (MALIGNANT) Classificação: 16 anos, Ano de Produção: 2021, Idioma: INGLÊS, Diretor: James Wan, Duração: 01:53:00h, com: Annabelle Wallis, Maddie Hasson, Jake Abel 

SALA 3 

16/09/2021 - Quinta-Feira: 19:00h - 21:25h 
17/09/2021 - Sexta-Feira: 19:00h - 21:25h 18/09/2021 - Sábado: 19:05h - 21:35h 19/09/2021 - Domingo: 19:00h - 21:25h 20/09/2021 - Segunda-Feira: 19:00h - 21:25h 
21/09/2021 - Terça-Feira: 19:00h - 21:25h 22/09/2021 - Quarta-Feira: 19:00h - 21:25h 

MATE OU MORRA (D) (DUBLADO) (BOSS LEVEL) Classificação: 16 anos, Ano de Produção: 2021, Idioma: INGLÊS, Diretor: Joe Carnahan, Duração: 01:41:00h, com: Annabelle Wallis, Mel Gibson, Naomi Watts 

SALA 1 

16/09/2021 - Quinta-Feira: 17:00h - 19:15h - 21:30h 
17/09/2021 - Sexta-Feira: 17:00h - 19:15h - 21:30h 
18/09/2021 - Sábado: 17:00h - 19:15h 19/09/2021 - Domingo: 17:00h - 19:15h - 21:30h 
20/09/2021 - Segunda-Feira: 17:00h - 19:15h - 21:30h 
21/09/2021 - Terça-Feira: 17:00h - 19:15h - 21:30h 
22/09/2021 - Quarta-Feira: 17:00h - 19:15h - 21:30h 

ESCAPE ROOM 2: TENSÃO MÁXIMA (D) (DUBLADO) (ESCAPE ROOM 2) Classificação: 14 anos, Ano de Produção: 2021, Idioma: INGLÊS, Diretor: Adam Robitel, Duração: 01:30:00h, com: Indya Moore, Holland Roden, Logan Miller 

SALA 4 

16/09/2021 - Quinta-Feira: 17:20h - 19:20h - 21:20h 
17/09/2021 - Sexta-Feira: 17:20h - 19:20h - 21:20h 
18/09/2021 - Sábado: 17:20h - 19:20h - 21:20h 
19/09/2021 - Domingo: 17:20h - 19:20h - 21:20h 
20/09/2021 - Segunda-Feira: 17:20h - 19:20h - 21:20h 
21/09/2021 - Terça-Feira: 17:20h - 19:20h - 21:20h 
22/09/2021 - Quarta-Feira: 17:20h - 19:20h - 21:20h

13.9.21

Por que as pessoas boas sofrem mais


Para tratar disso temos que falar do perigo da empatia. Se existe uma forma de segregar as pessoas boas das más, esta seria certamente a capacidade para sentir empatia. Porquanto as pessoas más não sentem qualquer empatia por pessoas em sofrimento e, inclusive desprezam-nas, as pessoas boas possuem a capacidade para sentir o sofrimento alheio. 

É esta partilha de emoções que as compele a agir e ajudar. E é nesta atitude de apoio que reside a armadilha na qual tendem a cair. Este tipo de pessoa, ao ajudar os mais fracos, deixa-se emaranhar numa teia de desgraça e sofrimento, como se a realidade do outro lhe pertencesse. 

E, de acordo com os princípios que regem o universo, atraem essa realidade para si (pois vivem esse mundo como se fosse o seu). Elas sentem de alguma forma que não merecem ter uma vida melhor do que o sujeito em sofrimento e acabam por estabelecer na sua realidade esse mesmo princípio. Assim, partilhando da infelicidade, elas tornam as suas vidas infelizes.

       No entanto, estas buscam fervorosamente o melhoramento e a felicidade dos outros. Já estes, por sua vez, quando a situação de vida se inverte muito frequentemente esquecem por completo quem os ajudou e abandonam estas amizades (e as dos grupo de excluídos a que pertenciam). 

Por compaixão, estas pessoas tendem a procurar os mais desprotegidos, e estes quando a sua situação melhora, geralmente graças ao apoio destes anjos na terra. Abandonam-nos por completo. Embora as pessoas boas sejam sensíveis à necessidade de ajudar, as mais fracas não têm razões nem desejo de ajudar os outros. 

Tudo o que podem e sabem é pedir. Quando não têm que pedir, continuam a não oferecer, muito embora agora tenham mais para oferecer, quanto muito em amizade e apoio moral (bem como com o seu exemplo de vida).

            Quando as pessoas boas sentem empatia pelos fracos revestem-se da realidade e sentimentos destes, como que tornando-se num ser em uníssono e sinergia com eles.

      Uma pessoa boa que protege pessoas pobres tende a simpatizar com a pobreza e uma pessoa boa que protege pessoas doentes simpatiza com a doença. Quando simpatiza experimenta a realidade alheia. De alguma forma considera que merece a mesma realidade, ou, não conseguindo ajudar a pessoa fraca, sente um impulso inconsciente para provar que o outro é capaz. E a forma que encontra de o provar é fazendo-se passar pelas mesmas dificuldades ou semelhantes, para provar a este (ou a si mesma) que é possível superá-las.

      Por fim, o estudioso Daniel Filho,  autor de livros e estudos a respeito, diz que as  pessoas boas são por isso mais suscetíveis às dificuldades financeiras e às doenças, entre outros problemas semelhantes.  

GERVÁSIO ANTÔNIO CONSOLARO - diretor regional da  Assoc. Fiscais de Rendas-SP, consultor tributário, agente fiscal de rendas aposentado, ex-delegado regional tributário, ex-assessor executivo da Prefeitura de Araçatuba, administrador, contador, bacharel em Direito, pós-graduado em Direito Tributário, curso  de gestão pública avançada pela Amana  Key e coach pela SBC.            g.consolaro@yahoo.com.br   


A maledicência é um bumerangue! - Alberto Consolaro

O efeito bumerangue imita esta arma originária da Austrália que, uma vez lançada, volta para a mesma pessoa!

 É comum dizer que se fala mais da vida alheia em determinadas atividades do que em outras. Não é verdade, e se fala mal dos outros em todos os lugares com tanta frequência que se poderia dizer que é uma verdadeira pandemia, incluindo as redes “antissociais”.

Há pessoas que ao encontrá-las todos os dias, sem que você lhe pergunte, já lhe fala quem separou, morou, foi preso ou perdeu o emprego! Para variar, de vez em quando esta mesma pessoa aborda assim: você sabe a novidade? Ou conforme o dia a pergunta dirigida a você é se sabe quem morreu hoje! Não raramente a abordagem é: você viu que fulano está com câncer?

Maldizer significa criar e repassar mentiras, distorcer a realidade, distribuir e enviar inverdades, maldades e preconceitos. A maledicência é fruto da frustração das pessoas com suas vidas e fracassos associados com a incompetência e covardia. São pessoas que não conseguem olhar para si mesmo e não têm a humildade de reconhecer seus limites e erros como todos temos! Podem ser futricas superficiais, mas a maioria acaba com credibilidades, reputações e vidas construídas com muito trabalho durante a vida inteira.

COMO AJUDAR

A psicologia e psiquiatria, especialidades clínicas e ciências, explica: quando você faz alguma coisa quando adulto, geralmente está repetindo um padrão de comportamento familiar ou social quando era criança ou adolescente. Por exemplo, quase todo estuprador foi abusado sexualmente quando criança ou adolescente! Quando se faz maledicência ou maldades, pessoalmente ou nas redes antissociais, provavelmente está se repetindo um padrão de comportamento! Antes de praticar a maledicência pense nisto e reflita, procure um tratamento com psiquiatras e psicólogos para ter uma vida normal.

Para quem tem coragem, responda este questionário ou prova de fogo: 1). Quantas mensagens e vídeos você abriu esta semana que não são maledicência? 2). Quantos você assumiu a coautoria repassando-as aos “amigos” que você “ama”? 3). Como explica este prazer patológico? 4). Que tara ou distorção psicológica se criou no cérebro? 5). Quem está imitando com estas maldades e repassando-as? 6). Quais são os ídolos, paradigmas e referências pessoais? 7). Não está na hora de trocar seus ídolos e paradigmas? É difícil, procure ajuda de um bom amigo, psicólogo ou de um psiquiatra. Nós imitamos os paradigmas e é difícil quebrar um ciclo vicioso como este!

Na parede estava escrito: “se não puderes servir o bem, cale o dom de falar”! Eu ficava horas lendo, relendo, procurando entender e ficou profundamente gravado em minha mente. Na trajetória da vida vejo como inevitável: a maledicência acaba se voltando contra o fofoqueiro que vira uma das vítimas de suas próprias armas! É o efeito bumerangue: o maldoso acaba sendo vítima de sua própria maldade, é só questão de tempo ou anos e pode envolver até suas pessoas mais amadas!

REFLEXÃO FINAL

- Mas, se não for da vida alheia, do que falaremos em casa, lazer e trabalho? Falta assunto? Então leia, faça cursos, passeie, veja um filme, escreva, fotografe, pinte, durma, pratique esportes, mas não use o lado negro da vida! Para Paulo Coelho, a língua que calunia mata três pessoas: a que profere a calúnia, a que escuta e a pessoa sobre a qual se fala.

Fique calado se não for para servir o bem! Acenda um incenso, medite e diga mil vezes: vai para o inferno satanás! 

Alberto Consolaro é professor titular da USP
em Bauru 
 consolaro@uol.com.br