AGENDA CULTURAL

22.5.17

Dia do Desafio - 31 de maio de 2017 - Sesc

COORDENADO PELO SESC SP EM TODO CONTINENTE AMERICANO, DIA DO DESAFIO CHEGA À SUA 23ª EDIÇÃO, DIA 31 DE MAIO, MOBILIZANDO MAIS DE 3 MIL CIDADES EM CERCA DE 18 PAÍSES



Neste ano, o objetivo é propor uma participação mais ativa e
engajada da população, com os adeptos da prática esportiva desafiando pessoas próximas, amigos e familiares a incluir a atividade física em seu cotidiano.

O Dia do Desafio, tradicional evento que reúne milhares de pessoas distribuídas pelo mundo em torno do incentivo à prática regular de atividades físicas e esportes, chega em 2017 à sua 23ª edição. Sob coordenação do Sesc SP no continente americano desde 2000, neste ano o Dia do Desafio ocorrerá em
31 de maio, quarta-feira, em aproximadamente 3 mil cidades e em 18 países, numa competição saudável para ver qual delas mobiliza mais pessoas para prática de atividade física.

Atenta às mudanças de hábitos, de relações de convívio e da sociedade de uma forma geral, essa edição do Dia do Desafio propõe uma forma de participação mais ativa e engajada, além da competição entre as cidades. A ideia é que pessoas que já tenham o hábito se mexerem, influenciem e desafiem amigos e familiares a lhe acompanhar. E para aqueles que buscam um motivo para mudar de hábito, encare este desafio.

Para tanto, aqui no Brasil, o Sesc e seus parceiros promovem uma série de atividades da 0h até às 21h no dia 31 de maio. A programação prevê caminhadas; passeios ciclísticos; jogos e brincadeiras; recreação para crianças, adultos e idosos; demonstração e vivências de modalidades esportivas tradicionais, como futebol, vôlei, handebol e diversas outras atrações, além das ações feitas em empresas (como, por exemplo, a ginástica) e as atividades praticadas nas escolas e nas academias. Cada participação conta ponto para o resultado final das cidades.

Vale ressaltar que além da disputa entre municípios, o evento contará também com a categoria “Autodesafio”, em que a cidade tem o desafio de superar o número de participantes da edição anterior.

"O Sesc realiza o Dia do Desafio desde 1995. Em que pesem as mudanças sociais ocorridas no período, a busca pela mobilização da sociedade por meio da atividade física apresenta-se como ocasião
inspiradora para que o movimento seja cada vez mais inserido como prática cotidiana dos habitantes" ressalta Danilo Santos de Miranda, diretor regional do Sesc São Paulo.   

Para a efetividade dessa mobilização, a aproximação com as prefeituras e instituições dos diversos setores oferece laços para a colaboração mútua, que reverberam em benefícios para a sociedade em geral.

Para Maria Luiza Souza Dias, coordenadora do Dia do Desafio para o Continente Americano, “ao longo das realizações do Dia do Desafio, fomos descobrindo novas formas de motivar pessoas, grupos e cidades a praticar esportes e atividades físicas. Isso tem se refletido num maior engajamento da
comunidade, que cada vez mais reconhece a importância da prática regular como parte de sua qualidade de vida”, finaliza a coordenadora.

Cidade x Cidade – Os confrontos entre as cidades do continente americano para a 23ª edição do Dia do Desafio foram definidos em sorteio eletrônico realizado no último dia 8 de maio, em evento realizado no SESC Jundiaí, que contou com a participação de nomes importantes do esporte brasileiro como o medalhista olímpico Nalbert (vôlei), o pentacampeão mundial de futebol Edmilson e o craque das décadas de 60 e 70, Ademir da Guia. O sorteio foi transmitido pela internet e os internautas puderam acompanhar em tempo real toda a cerimônia.

Entre algumas das cidades desafiantes teremos os seguintes confrontos:

 Birigui (SP) x Cabudare (Venezuela)

 Araçatuba (SP) x Granada (Nicarágua)

 Guararapes (SP) x San José de Areocuar (Venezuela)

 Lins (SP) x Sayaxche (Guatemala)

 Valparaíso (SP) x Bahia Honda (Cuba)

 São Paulo (SP) x Porto Alegre (RS)

 Jundiaí (SP) x Uberlândia (MG)

Dia Do Desafio - Criado nos anos 1980 no Canadá, o Dia do Desafio tem como proposta de despertar o interesse das pessoas pela prática de esportes e atividades físicas, por meio de uma competição entre cidades. O SESC coordena o evento no Brasil desde 1995 e no continente americano desde 2000. 

O Dia do Desafio é uma iniciativa da TAFISA - The Association For International Sport for All, com o apoio da ISCA (International Sport and Culture Association) e da UNESCO e é realizado pelas prefeituras municipais em parceria com secretarias estaduais, ONGs, escolas, empresas, universidades, academias e outras instituições. Trata-se de um movimento comunitário que envolve poderes públicos, instituições privadas e cidadãos trabalhando em parceria para mobilizar o maior percentual de
participantes em relação ao seu total de habitantes.

Dia do Desafio
Dia 31 de maio, das 0h às 21h
Programação completa no endereço: www.diadodesafio.org.br

BIRIGUI

Aula Aberta de Dança de Salão

Os dançarinos Joyce Souza e Alexandre Decares conduzem a atividade que envolve ritmos nacionais e internacionais em uma aula descontraída, onde a troca de experiências e o diálogo sobre diferentes técnicas garantem a diversão. Não requer inscrição prévia.

Dia 31/5, às 18h30 no Sesc Birigui. Grátis. Livre.

ARAÇATUBA

Tchoukball

Com regras únicas, o Tchoukball é um jogo extremamente dinâmico, pois permite que jogadores de diversas habilidades possam participar do jogo sem que a outra equipe os atrapalhe, as equipes podem
realizar o ataque em ambos os lados da quadra e, tudo isso, sem contato físico. Com a orientação dos instrutores do Sesc. A atividade não requer inscrição prévia.

Dia 31/5, às 8h30 e 16h na Praça Getúlio Vargas em Araçatuba. Grátis. Livre.

Desafio na Praça

Aulas abertas de diversas modalidades, com a duração de 30 minutos cara, realizadas pelos instrutores do Sesc e das instituições esportivas participantes. A atividade não requer inscrição prévia.

Dia 31/5, às 16h30 e 19h na Praça Getúlio Vargas em Araçatuba. Grátis. Livre.

Pedalada do Dia do Desafio

Passeio de bicicleta recreativo em percurso urbano (10km) com saída e chegada na praça Getúlio Vargas em Araçatuba. Para participar é necessário trazer bicicleta com equipamentos de segurança (capacete, 
luvas) e também água para reidratação durante a atividade. Não requer inscrição prévia.

Dia 31/5, às 19h. Saída e retorno na Praça Getúlio Vargas em Araçatuba. Grátis. 16 anos.

Show Tim Maia 70 com grupo Ôncalo

Nascido na zona leste de São Paulo, o grupo difunde o conceito de street band. Usando instrumentos de metais e bateria desmembrada, a banda homenageia Tim Maia interpretando grandes sucessos do ícone do soul brasileiro.

Dia 31/5, às 20h. Praça Getúlio Vargas em Araçatuba. Grátis. 16 anos.

Tudo acontece em Castilho-SP

Foto de Castilho-SP - Wikipedia

Hélio Consolaro*
Conteúdo atualizado às 14h30

Numa roda de jornalistas de Araçatuba de conversas informais, fiz a pergunta sobre Castilho-SP: por que tudo acontece naquela cidade. E eles responderam:

- Lá o bicho pega!

Não tenho motivos para querer mal Castilho-SP, mas tal incidência de fatos ruins chama a atenção até do cidadão comum e se torna assunto de quem escreve sobre a singularidade.

O município  de Castilho-SP tem 20 mil habitantes, limítrofe de Andradina, ao qual já pertenceu antes de se emancipar. 

Castilho-SP fica às margens do Rio Paraná, já teve (ou ainda tem) boa receita por causa da hidrelétrica de Jupiá, talvez essa aura negativa em torno do nome da cidade sejam apenas ecos ouvidos a distância, distorcidos.


Google

Outro fato interessante. Os atos oficiais da Prefeitura de Castilho são publicados em jornal de Araçatuba, no mesmo em que a Prefeitura de Araçatuba publica os seus. Isso permite uma comparação visual, então se percebe que as publicações de Castilho com 20 mil habitantes são tão grandes em centimetragem como as de Araçatuba, o município sede da região, que tem 10 vezes mais habitantes. Será perversidade da lei?

Não estou falando de Nova Castilho-SP que é um município dez vezes menor, vizinho de Nova Luzitânia e Gastão Vidigal, com 1.125 habitantes. 


Google

Também a política de Castilho-SP é cheia de conflitos, ou, pelo menos, eles aparecem mais na imprensa araçatubense, superando qualquer município de mesmo porte. 

Ultimamente, Castilho aparece mais nas páginas policiais, como também tem acontecido acidente automobilístico com mais frequência com gente que mora naquela cidade. 

É apenas impressão minha? 

*Hélio Consolaro é professor, jornalista e escritor - Araçatuba-SP

19.5.17

Somos corruptos por natureza

O capitalismo, pela supervalorização do dinheiro, é corrupto por natureza.


Hélio Consolaro*

A página está branca na tela do computador, estou sem coragem. Não que eu esteja frustrado com tanta notícia ruim, porque sou cético por natureza.

Sempre houve corrupção, mas chegamos a um nível que o Maluf virou amador. O capitalismo, pela supervalorização do dinheiro, é corrupto por natureza.

Por mais erros que tenha cometido a Operação Lava Jato, só com ela realizo um sonho: não só o corrupto (no caso, o político) deve ser preso ou pichado, mas também o corruptor (o empresariado), o principal agente.

Os fatos sociais e políticos têm uma dinâmica própria. Por mais que a Lava Jato tenha surgido para pegar a corrupção do PT, o puxa aqui, esconde ali, não houve jeito de evitar a metralhadora rotatória com suas rajadas aos 360 graus. Chegamos a um ponto que petistas e tucanos estão no mesmo nível, logo teremos as feridas do Judiciário expostas.

Sempre digo em rodas de conversa de gente metida a idealista (religião ou ideologia), que não há humano incorruptível, todos têm o seu preço e, segundo o sambista, o cachorro é o melhor amigo do homem porque não conhece dinheiro, quase me matam.

E qual é a saída, me perguntam? É a construção da cidadania via educação, todos nós precisamos ficar vigilantes, um tomando conta do outro para que o nosso egoísmo não chegue à barbárie, diminuindo a usurpação e a corrupção.

Somos maus por natureza, o monoteísmo nos tentou colocar como filhos do mesmo Deus para que considerássemos como irmãos. Apesar da tentativa, a exploração do homem pelo homem nunca foi eliminada, ela invadiu os templos.

Não sou ateu, por isso digo que o ser humano é um projeto que foi abandonado por Deus, pois saiu de seu controle, desanimou a divindade, atingiu a sua ira.

Nem sempre sou tão cético, às vezes tenho recaídas de otimismo, como achar que, com todo o trauma que vivemos atualmente, estamos construindo um país sob a égide da ética. Só isso não basta, mas é um bom começo.


*Hélio Consolaro é professor, jornalista e escritor.

18.5.17

SUCESSÃO: O que acontece se Michel Temer cair?


Pela Constituição, serão convocadas eleições indiretas, mas pressão popular é por 'Diretas já'

por Camila Rodrigues da Silva publicado 18/05/2017 09h21, última modificação 18/05/2017 09h28 - Revista Brasil Atual
AGÊNCIA BRASIL
micheltemer.jpg
Dono da JBS gravou Temer dando aval para comprar silêncio de Cunha
Brasil de Fato – Segundo a Constituição, se o vice-presidente for deposto – por consequência da delação premiada dos donos da JBS, publicada nesta quarta-feira (17) no jornal O Globo – quem o substitui é o presidente da Câmara; em seguida, o do Senado; e, por fim, o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF).
O problema é que o atual presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), tornou-se alvo de inquérito aberto pelo ministro do STF Edson Fachin, após a chamada "delação do fim do mundo", feita por executivos da empreiteira Odebrecht no âmbito da operação Lava Jato. Segundo despacho do ministro, Maia pediu R$ 350 mil para financiamento de campanha. Ou seja, há um risco iminente de ele se tornar réu, o que o impediria de assumir o cargo. 
Caso similar ocorre com o atual presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), que assumiu nesta posição em 1o. de fevereiro e que é citado em três delações da operação Lava Jato.
Segundo o advogado e membro da Consulta Popular Ricardo Gebrim, se isso ocorrer, o Supremo pode impedi-los de fazer parte da linha sucessória, assim como fez com o ex-presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), no último 7 de dezembro.
Após denúncia do partido Rede, baseada em jurisprudência do afastamento do ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), a maioria dos ministros do STF decidiu a favor de manter Renan na presidência do Senado, com a ressalva de que ele fique impedido de substituir Michel Temer. 
Assim, a mais provável sucessora ao cargo máximo da República seria Cármen Lúcia, presidenta do Supremo. Ela assumiria interinamente e convocaria eleições indiretas no prazo de 30 dias. Ou seja, quem escolheria o substituto de Temer seria o Congresso Nacional, conforme previsto no artigo 81 da Constituição para casos em que o presidente ou o vice saem do cargo após dois anos de mandato.

Diretas?

Nas eleições indiretas, qualquer partido pode apresentar seu candidato dentro do prazo legal estabelecido, e quem votaria seriam deputados federais e senadores. No entanto, a oposição do Congresso Nacional, composta por parlamentares do PT, do PC do B, do PSOL, do PDT e do PSB, está com uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que propõe eleições diretas imediatamente.
O problema é que a tramitação de uma PEC é feita em dois turnos em cada uma das Casas do Congresso Nacional. "Isso teria que ser feito em regime de urgência, os parlamentares não teriam recesso em julho e precisariam paralisar a votação da reforma da Previdência", explica Gebrim.
Cientes das dificuldades, os movimentos populares apostam no crescimento da pauta das "Diretas Já". "Nós, da Frente Brasil Popular e da Frente Povo Sem Medo, defendemos que se mude a Constituição em caráter de urgência e que não aconteçam eleições indiretas", afirma Raimundo Bonfim, coordenador geral da Central de Movimentos Populares (CMP).
"Nossa manifestação do dia 24 de maio e a bandeira de ‘Diretas Já’ agora ganha maior relevância", observa o advogado popular.
Para Gebrim, a delação desta quarta faz parte de um roteiro suspeito. Ele lembra que Cármen Lúcia se reuniu a portas fechadas, no último dia 9, com um grupo de 13 empresários, três deles são membros do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social, o chamado Conselhão, formado em novembro do ano passado por Temer. São empresários pertencentes a setores variados da economia, como bancos, telecomunicações, hotéis, companhias aéreas, incorporação imobiliária, papel e celulose.
"Essa gravação provavelmente já era de conhecimento da Cármen Lúcia quando ela se reuniu com o PIB brasileiro na semana passada", indicou.
A professora de Direito Carol Proner, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), também desconfia do apoio da Rede Globo às denúncias e alerta:
"A denúncia contra Michel Temer é contundente e, num país sério, é significativa para a derrubada do governo, sim. Porém, da forma como está sendo transmitida e comemorada, unindo a Rede Globo de televisão, o STF, a PGE [Procuradoria Geral do Estado] (…); considerando que o Supremo Tribunal Federal recém organizou uma reunião com empresários para pensar o país, sendo muitos dos empresários formuladores do golpe de 64 além do de 2016, é algo que exige cautela".
Para ela, os movimentos têm de tomar as ruas, mas "a transição para o Estado Democrático de Direito deve ser feita pelos legítimos prejudicados, que são os trabalhadores e os movimentos sociais. E não por um novo golpe. A população está atenta, está com muita cautela, porque não permitiremos que novamente sejam usurpados os direitos constitucionais por aqueles que pretendem a reforma da Previdência, a reforma trabalhista e o retrocesso de mais de um século das garantias e dos direitos no Brasil".
Segundo o jornal Valor Econômico, o propósito da ministra Cármen Lúcia, ao se reunir com empresários e altos executivos da iniciativa privada, era "ouvir deles sugestões de temas que estão paralisados no STF ou que tenham interpretações diferentes das instâncias judiciais, com possibilidade de serem desbloqueados por decisão da Suprema Corte".
Da área do Conselhão, participaram do encontro com a ministra Chieko Aoki, presidente da rede Blue Tree Hotels; Luiza Trajano, dona da rede Magazine Luiza; e Pedro Wongtschowski, presidente do Instituo de Estudos para Desenvolvimento Industrial (Iedi). Os demais participantes foram Betania Tanure, consultora da BTA; Candido Bracher, presidente do Itaú Unibanco; Carlos Schroder, diretor-geral da Rede Globo; Décio da Silva, presidente do conselho da WEG; Flavio Rocha, dono das lojas Riachuelo; Jefferson de Paula, CEO da ArcelorMittal Aços Longos; Paulo Kakinoff, presidente da Gol; Rubens Menin, fundador e presidente do conselho de administração da MRV Engenharia; Walter Schalka, presidente da Suzano Papel e Celulose; e Wilson Ferreira, presidente da Eletrobras.

17.5.17

Deu carona para uma cobra

Se a cobra tentou Eva no Éden com palavras, por que a jiboia de minha história tem que ser muda? 


Hélio Consolaro*

Um casal viajava tranquilo pela rodovia Marechal Rondon, quando uma cobra pôs a cabeça num dos vãos do painel de controle do carro e disse amavelmente:

- Olá! Como vai? Espero que estejam fazendo uma boa viagem.

Se a cobra tentou Eva no Éden com palavras, por que a jiboia de minha história tem que ser muda? 

Foi um desespero para o casal, quase que o motorista perde o controle do veículo, porque nos ensinaram que a cobra é um animal nocivo, peçonhento, que só quer o nosso mal.

Os protagonistas dessa história real, além da cobra, foi um casal de Sabino-SP, que levou o carro para o Corpo de Bombeiros de Lins-SP que retirou a cobra e a levou para uma mata próxima. É bom dizer que tal serpente não é venenosa.

Aproveito a notícia exótica que foi publicada no jornal O LIBERAL, Araçatuba-SP, 17/05/2017, para fazer uma reflexão sobre o nosso relacionamento com os outros seres vivos, principalmente nesse tempo em que a população mora no mundo em forma de cidade.

Para qualquer bichinho que se encontra em casa, chama-se o bombeiro. Daqui a pouco, os bombeiros serão chamados por causa de  baratas ou de ratos.

Nossa visão antropocêntrica nos coloca no centro do mundo, como se todos os outros seres do planeta estivessem a nosso serviço. Até o conceito da cadeia alimentar se insere nela.

Mas estamos descobrindo que devemos ter uma visão ecocêntrica do mundo, onde todos os seres vivos, principalmente, merecem respeito. Isso está nos desestruturando, estamos meio perdidos.

Os vegetarianos já existem entre nós há algum tempo, agora, estamos escutando a palavra “vegano”. "O veganismo é uma forma de viver que busca excluir, na medida do possível e do praticável, todas as formas de exploração e de crueldade contra animais, seja para a alimentação, para o vestuário ou para qualquer outra finalidade.”

Conheço famílias que são atendidas pelo SUS, mas os cachorros da casa são clientes de clínicas particulares. Outro dia a Câmara Municipal rejeitou um projeto para que a Prefeitura Municipal de Araçatuba criasse uma farmácia veterinária municipal. Na minha meninice, cachorro era comedor de restos de comida, hoje gasta-se com ração, vacina e até com cirurgia. 

Há até uma premissa de que a sociedade humana que trata bem os animais é respeitadora dos direitos humanos. Humanizar-se é cada vez mais descobrir-se bicho.


-->
*Hélio Consolaro é professor, jornalista e escritor. Membro da Academia Araçatubense de Letras.