AGENDA CULTURAL

19.6.16

Araçatuba terá parque aquático


Imagem conceitual do projeto que, além de piscinas termais, prevê criação de hotel para turistas

Jornal FOLHA DA REGIÃO, 17/06/2016

Comentário deste blogueiro: gostei muito, só me desagradou o nome do local, podíamos preservar a nossa língua com um nome em português.

O parque aquático em desenvolvimento no local do antigo Thermas da Noroeste, em Araçatuba, já tem nome. O projeto de recreação com piscinas de águas quentes e frias será chamado de Hot Planet, conforme divulgado no 5º Café Empresarial, realizado na quinta-feira (16) pela Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Relações do Trabalho de Araçatuba.

O diretor de negócios do empreendimento, José Manoel de Campos Silva, participou do evento, onde apresentou detalhes sobre a atração turística. A intenção do grupo responsável é criar uma sinergia entre elementos de lazer e hospedagem. Além da área das piscinas termais, o projeto com a criação de hotel e 1,2 mil apartamentos a serem ocupados por turistas, o que deve ser concluído até 2026.

PRIMEIRA FASE
O empreendimento ganhou também novas datas. De acordo com apresentação exibida no evento, a primeira fase do parque, com piscinas termais, praça de alimentação e toboáguas será lançada em outubro deste ano, não em agosto como o responsável pelo parque havia divulgado anteriormente à Folha da Região. A segunda fase, com praia de ondas, tem finalização prevista para 2017. Só na primeira etapa o parque deve gerar 60 empregos diretos.

O parque aquático Hot Planet funcionará em área da rua Keisaburo Fujihara, no Jardim Pinheiros. O projeto - que não tem nada a ver com o Thermas, portanto, os antigos títulos não têm validade - deverá receber cerca de R$ 80 milhões em investimentos de grupo de empresários responsável pelo empreendimento desde 2008.

3 comentários:

Paulo martins Martins disse...

Muito bom pra cidade.

Ronaldo Werneck Gonçalves disse...

O empreendimento pode até ser bom, mas enquanto perdurar na cabeças de publicitários e empresários essa mentalidade colonizada, continuaremos vendo empreendimentos só com nomes estrangeiros. Acho que é pura estupidez ou falta de brasilidade.

Anônimo disse...

Quanto é pra ser sócio?