AGENDA CULTURAL

30.9.21

Quem vai ler minhas crônicas?

Madson Luís Brito Cardoso
Hélio Consolaro é professor, jornalista e escritor. Araçatuba-SP 

Se eu tivesse apenas um leitor, com certeza era o Madson Luís Brito Cardoso, o garoto que foi meu aluno na EE Professor Genésio de Assis, bairro Paraíso, Araçatuba-SP, que tem uma irmã chamada Simone, cujo pai era investigador; mãe, agente policial. Só não dei RG e CPF para não ser um cronista chato, mas este texto pode ser encontrado daqui a anos com dados incompletos. Não é qualquer Madson.

O Madson não era um leitor de ocasião, mantinha assiduidade, nem que a crônica fosse apenas postada na internet. Emitia comentários e discordava com toda a elegância. Até defendia seu ex-professor nalguma cilada. Se houvesse alguma balada literária, um evento cultural, lá estava o rapaz, dizendo:

- Tudo bem, professor?

Eu achava que se houvesse um sujeito que não ia abandonar o meu caixão às moscas na hora do féretro, seria o Madson. Após a minha morte, quem iria ler um texto elegíaco ao pé da cova, seria ele. 

Então, o cara foi morrer antes, e estou procurando um jeito bonito de homenageá-lo nesta crônica. O cara comprou uma máquina voadora, sem abandonar o chão. As distâncias entre as cidades se encurtaram, acabou morrendo num desastre com sua moto.

Não era um homem de 50 anos com grande futuro, o seu presente já era glamuroso. Estudioso, aplicado, sempre alegre. Advogado bem-sucedido. Acharam uma arma em sua blusa, com certeza, costume herdado de seus pais que eram policiais. Nunca imaginava aquela criatura empunhando uma arma.

Fiquei órfão, quem vai ler minhas crônicas? 

16 comentários:

Andréa disse...

Concerteza o senhor tem seu eleitores anônimos tenho ate hoje a Crônica sobre minha pessoa quando mudei de função dentro da Polícia é un orgulho mostro aos meus filhos o quanto é inteligente e a importância de ler .O Madson deixarar saudades

Unknown disse...

Como advogado tinha direito ä posse de arma e como fazia longas viagens e muitas vezes sozinho ''usava a sua prerrogativa.Obrihado pela homenagem ao meu sobrinho

Unknown disse...

Belas palavras prof. Hélio, tbm fui seu aluno, conhecia o Madson e era amigo da Simone. Estou mto triste com o acontecido, rapaz nos deixou mto cedo, no auge de sua vida. Deus o tenha descansando em paz e conforte sempre os corações d tds da família e amigos. Forte abrc meu ex. prof. Hélio Consolaro...

Unknown disse...

Tive o privilégio de conhecer o Madson, um amigo que vai deixar saudades em muitos corações. Obrigado Sr Hélio por essa homenagem.

Fredson Graneiro Balbino disse...

Realmente ele era diferenciado...
Saudades.

Fredson Graneiro Balbino disse...

Realmente ele era diferenciado...
Grande Madson,sempre alegre,com espírito aventureiro e sábio no falar. Até breve meu amigo.

Unknown disse...

Leitura feita com sucesso, ainda aguardo mais sobre o homenageado, sei que faltam palavras.... Assim como a imensidão que falta ele...

Unknown disse...

Obrigado!

Unknown disse...

Eu a prima estou lendo, Obrigada professor!

Unknown disse...

E você realmente encontrou o jeito bonito para homenagea - lo ...

Unknown disse...

E você encontrou um jeito bonito para homenageá - lo ...

Ariadne disse...

Obrigada, querido professor, pela linda homenagem!

Ariadne disse...

Obrigada, querido professor pela homenagem carinhosa!

Unknown disse...

Não se preocupe que as pessoas ligada a literatura vão ler.O Madson deve comentar o que leu no plano edpiritual.Leia em voz alta quem sabe ele tenha licença para visitá-lo.Acabei de ler.Obrigada.

Anônimo disse...

Gostei, muito bela homenagem! Sua amiga confreira: marianice

Unknown disse...

Para mim, era como um filho, pois por mais de 40 anos, convivia comigo e com meus filhos. Um vácuo na alma de todos nós.