AGENDA CULTURAL

12.1.22

Por que a lancha chamava Jesus?


Hélio Consolaro é professor, jornalista e escritor. Araçatuba-SP

 Viajei muito com o perueiro Mané até Penápolis, para fazer faculdade lá, fiz isso por dois anos. Isso foi em 1969-70, motor da combi era fraquinho, na subida de Coroados, rodovia Marechal Rondon, pista simples, o motor gemia com os 12 passageiros. 

Ela foi apelidada de "Jesus me chama", pois era costume, em acidentes com a combi VW 1.200, não sobreviver nenhum passageiro.  

Nas primeiras notícias da tragédia na cidade de Capitólio-MG, vi que a lancha onde estavam as dez vítimas tinha o nome de Jesus. Lembrei-me da perua combi. 

Por que aquela lancha batizada com o nome de Jesus foi escolhida para receber o impacto do paredão descolado? Você, caro leitor, vai me dizer que foi por acaso; mas o acaso, às vezes, tem causas desconhecidas. 

Será que os seu dono usou o santo  nome para veículo mundano? Não usar o nome de Deus (ou filho dele) em vão, diz o mandamento.

Naveguei pela internet, sem me afogar, e descobri no jornal O Tempo (MG) alguns detalhes da tragédia. A família vítima (dez mortos), antes de embarcar, trocou de balsa para veranear com uma balsa mais segura: Vamos com Jesus! E zarparam. O marketing deu certo.

Dessa vez Jesus chamou mesmo!         

2 comentários:

Unknown disse...

NaveguEI pela Internet, sem Se afogar...não entendi

Hélio Consolaro disse...

Consertei.