AGENDA CULTURAL

24.8.22

CNPJ sem partido, nem candidato


Hélio Consolaro é professor, jornalista e escritor. Araçatuba-SP

Em tempo de eleição, os ânimos se acirram. Em anos passados, trabalhei em escola de cidade menor que tinha o corpo docente unido, mas em época de campanha eleitoral municipal, dividia-se, nem se conversava. Cada grupo com seu candidato. Os professores de fora ficavam sobrando. Situação inimaginável.

Nas últimas campanhas eleitorais para presidente, parece que o provincianismo tomou conta das metrópoles. Antigamente, o poder era disputado na espada, aí inventamos o voto para se tornar a disputa mais pacífica, mas há gente com saudade das guerras.

Comerciantes, empresários ou profissionais autônomos, se tiverem juízo, não declaram o seu voto, fazer campanha eleitoral menos ainda, pois precisam vender ou prestar serviços para todos. Em 2018, eu mesmo deixei de cortar cabelo em determinado salão porque o cara ficava falando mal de meu candidato o tempo todo. Fechou as portas. Se fosse dentista, aí pioraria, pois não daria para responder enquanto trabalhava em minha boca aberta.  

Já vi muitos empresários sendo candidatos falirem. Antônio Ermírio de Morais descobriu essa possibilidade, saiu de fininho, nunca mais. Sílvio Santos nem tentou. Estou me referindo à direita e à esquerda.

Os sócios de uma ONG, os fiéis de uma igreja, cada um por si, têm o direito de participar de partidos, mas a entidade como tal não, pois ela abriga todos os lados, portas abertas.

Atualmente, pastores de certas congregações evangélicas fazem descaradamente de seu púlpito palanque. Isso não é normal, nem está de acordo com a lei. O máximo que as igrejas e ONGs podem fazer é promover debates entre todos os candidatos com a permissão da Justiça Eleitoral.  

Tendo como exemplo as lambanças dos pastores, outro dia, um clube de Rotary resolveu convidar um deputado federal para dar uma palestra numa de suas reuniõe, como se fosse a coisa mais normal do mundo. O outro lado protestou. Deu B.O. 

Quem fiscaliza? A oposição, o outro lado. Permitindo-se o contraditório, consegue-se o equilíbrio, por isso que a democracia é o melhor dos regimes, organiza-se naquilo que os autoritários chamam de "bagunça".

Apenas CNPJ (Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas) de partidos e de candidaturas têm obrigação de participar de campanhas eleitorais porque fazem parte de sua natureza.    

Não sou jurisconsulto, nem rábula, sigo o espírito da lei. Não confunda a vida com um grupo de WhatsApp, que também precisa de disciplina.   

2 comentários:

Anônimo disse...

Muito bem. Parabéns! Uma "pedrada no charco".

Anônimo disse...

Excelente 👏🏼👏🏼👏🏼👏🏼👏🏼