AGENDA CULTURAL

24.4.16

O que fazer com a Vila Ferroviária de Araçatuba - dê sua opinião

O QUE FAZER COM A VILA FERROVIÁRIA DE ARAÇATUBA- PROPOSTAS PARA 2017-20

Hélio Consolaro, Pré-candidato a prefeito de Araçatuba-SP*

Esta casa e mais uma contígua estão sendo
restauradas para abrigarem o Museu dos
Ferroviário Moisés Joaquim Rodrigues
Sede da Associação das Escolas de Samba de
Araçatuba - Assesa
                         

Araçatuba surgiu em torno de uma estação ferroviária, portanto estrada de ferro é um elemento importante de sua história, está no seu DNA, mas retirar os trilhos do centro da cidade sempre era um sonho coletivo. 

E os trilhos foram retirados do centro da cidade em 1996, isso criou um patrimônio histórico imenso e ocioso, composto pelos imóveis da antiga NOB (Noroeste do Brasil) desocupados que foram cedidos por permuta ao município (pelas terras do novo traçado e da nova estação) e este por sua vez permitiu o uso deles por entidades do município de forma aleatória. Tais imóveis, quase 200, não foram tombados e muitos estão desfigurados.


A vontade do mundo cultural de Araçatuba (vamos chamar de PROPOSTA 1) é que esses quarteirões sejam parte de um Calçadão Cultural, pegando metade dos quarteirões da rua 15 de Novembro (outra metade para a passagem de carros) e os outros dois quarteirões impedidos completamente para veículos, se tornando apenas calçadões, transformando o largo espaço defronte da última estação também em espaço para pedestre, retirando do local o terminal rodoviário interurbano.


Nesse caso, a antiga estação ferroviária (cômodos ocupados pela Guarda Municipal e outras secretarias municipais, além da plataforma) iria se transformar em terminal rodoviário, com os ônibus encostando na avenida dos Araçás para embarque e desembarque de passageiros , nas plataformas do antigo trem. Lógico que os espaços precisam ser adaptados, sempre respeitando o patrimônio histórico. 

Essa proposta exige alto investimento, mas deixa Araçatuba como uma cidade que cuida de seu patrimônio histórico e preocupada com sua cultura.   

A PROPOSTA 2 é defendida pela Havan, loja que fica do outro lado da avenida dos Araçás, ao lado do Centro Cultural Ferroviário. Derruba-se a última estação ferroviária, pois é uma construção da década de 60, não tem caráter histórico (fundação da cidade), não deixando nenhuma pedra sobre pedra. Assim, haverá uma ligação mais ágil da avenida dos Araçás com o centro de Araçatuba. 

Essa proposta elimina a possibilidade do Calçadão Cultural. O restante fica como está. Logicamente, tal proposta atende aos os interesses comerciais (legítimos) da loja Havan. Essa proposta exige investimento, não tão alto como a PROPOSTA 1, tendo, certamente, a parceria da empresa.

Antes de qualquer ação: ouvir Câmara Municipal de Araçatuba, Conselho Municipal de Políticas Culturais de Araçatuba, a Secretaria de Mobilidade Urbana e AEAN


MODIFICAÇÃO: caso precise acrescentar algum detalhe numa das propostas, passe-nos mensagem pelo e-mail conselio@gmail.com
Se quiser marcar um papo com o Consa sobre o assunto, ligue: 18 99786 9445 

  

5 comentários:

maria de fatima figueiredo disse...

As casas devem ser restauradas e revertidas em pró da sociedade.Sediando cursos, palestras, a outras.A não ser por motivos extremos,não cor da demolição e sim, manutencao, restauração.A casa das máquinas pede socorro.Não permitam que desabe.A Havam, poderia construir uma passarela p pedestres, em seu próprio benefício.A parceria da iniciativa privada sempre eu bem-vinda.Há interesse recíproco. Quanto a antiga estação tb pode ser revertida, suas acomodações, em pró da comunidade.Precisamos construir nossa história, resgatå-lá, respeitå-la.É o legado a ser deixado.

Luiz André Amorim disse...

Apenas a hipótese de derrubar um prédio histórico já me causa paúra. Essa proposta nem deveria ser cogitada.

osvaldir magrao disse...

pra falar seria bom unir ambas...teriamos o melhor do melhor

Helio Consolaro disse...

COMENTÁRIOS COPIADOS DO FACEBOOK


1- As casas devem ser restauradas e revertidas em pró da sociedade.Sediando cursos, palestras, a outras.A não ser por motivos extremos,não cor da demolição e sim, manutencao, restauração.A casa das máquinas pede socorro.Não permitam que desabe.A Havam, poderia construir uma passarela p pedestres, em seu próprio benefício.A parceria da iniciativa privada sempre eu bem-vinda.Há interesse recíproco. Quanto a antiga estação tb pode ser revertida, suas acomodações, em pró da comunidade.Precisamos construir nossa história, resgatå-lá, respeitå-la.É o legado a ser deixado. (Maria de Fátima Figueredo)

2-Apenas a hipótese de derrubar um prédio histórico já me causa paúra. Essa proposta nem deveria ser cogitada. ( Luis André Amorim)

NO FACEBOOCK
Élida Maria Silva, Soraia Dias e 6 outras pessoas
2 PARTILHAS
= OMAR MARREIRA - Restaurar a vila e preservar

= KARINA CHAGAS II - Sou contra a demolição de qualquer ponto histórico da cidade ! Devemos respeitar a nossa historia e darmos oportunodade para que os nossos, para que as próximas geraçoes possam conhecer de perto !

= KARINA CHAGAS II - Se tem algo a ser feito no espaço preservando sua raiz , seria uma restauração e o aproveitamento a favor do desenvolvimento cultural da cidade .
(CURTIU MARGARETH)

= MARGARETH MARTINS - Eu faria um bom restauro nas fachadas, muros e calçada. Só isso..... pra dentro, a entidade que for ocupar o espaço, faz a adaptação que for necessária para o seu uso.
( CURTIU KARINA)

Tarik Torrezan de Oliveira disse...

Acredito que em primeiro lugar deve ser tirada a estação dos anos 60. Alem de atrapalhar ela tem um desenho arquitetônico questionável. Depois da remoção e talvez a construção de uma praça no lugar ou ainda ampliação do terminal de onibus, deve se pensar o que fazer com a vila ferroviaria. como está não pode ficar.